Posts com a tag Vasco Croft

Dicas do Didú – Vinho Verde

Dicas do Didú de hoje fala de Vinhos Verdes. Você conhece o Vinho Verde Português? É bem apropriado ao nosso clima e à nossa culinária.

 

Os vinhos do Vasco Croft você encontra na WineLovers. Veja também estes links abaixo sobre o assunto:

http://www.didu.com.br/tag/quinta-da-palmirinha/

 

Vinho Verde.

Quinta de Linhares

https://blog.grandcru.com.br/o-charme-do-vinho-verde-por-didu-russo/

 

https://plus.google.com/113361776117560065452/posts/RRBv7PH2PR7

 

I Love Wine Lovers

Outro dia, a  fui almoçar com a Catia Gramuglia da Wine Lovers  para conhecer um novo produtor que ela está trazendo, a Finca Agostino.

A finca Agostino é de dois irmãos, Miguel e Sebastián Agostino, um deles que não sei qual já esteve no Brasil e almocei com ele no Rodeio, me lembro de sua simpatia e de seus vinhos. Agora estava aqui o Fernando Anitori, que já conhecia de um encontro da Aurora com seus pequenas Partilhas, pois o Malbec do Pequenas Partilhas é produzido pela finca Agostina. Boa pedida aliás.

Eu já gostava da Wine Lovers, afinal uma importadora que traz os vinhos do meu Amigo Vasco Croft, sabe das coisas e prioriza os vinhos limpos, puros, sinceros, o que se pode confirmar vendo seu site onde você encontra entre outros, o Aupa Pipeño da Viña Maitia, o Laudum da Bodega Bocopa, o Musso da casa Rojo, os Bojador da Espaço Rural, os deliciosos e sinceros vinhos trasmontanos da Quinta do Arcossó e os uruguayos da Artesana… Mas conversando com a Catia percebi sua energia e certeza de cada vez mais se especializar nesses vinhos naturebas que eu tanto gosto e admiro. Essas pessoas são diferentes, sempre. Gosto disso.

 

 

Outro ponto que merece atenção na Wine Lovers são as margens bem palatáveis de sua carta, afinal nem todos são naturebas, que normalmente são vinhos mais caros, mas entre os convencionais há muita coisa boa e com margens bem palatáveis, que é o caso dos vinhos da Finca Agostina.

Caso deste Cabernet Sauvignon, ou este Chardonnay Vognier, ambos muito bem feitos e deliciosos, com frescor, com tipicidade, convidativos e versáteis em harmonizações e que saem na faixa dos R$ 60,00.

Destaco também entre a vasta oferta da Finca Agostino, este Agostino Familia Gran Reserva com 40% Malbec, 30% Petit Verdot, 15% Cabernet y 15% Syrah. que é espetacular, com estrutura e classe, um assemblage não comum dos dois vinhedos da Finca Agostino, Valle de Uco e Maipú. Vinho elegante e sedutor que recomendo, daqueles que agradam a todo mundo. Classudo.

 

A Finca Agostino é a história de quatro irmãos: Vincenzo, Rosalía, Sebastián e Miguel Agostino, que viveram sua infância em Mendoza antes de se mudar com sua família para o Canadá nos anos ’60. Mendoza sempre representou para eles a terra da infância, que compartilharam com seu avô Sebastiano, rodeados dos vinhedos onde trabalhava como viticultor empreiteiro.

Sebastiano amava Mendoza, sua água pura da cordilheira e seus dias ensolarados. Sempre lhes dizia: “cuide das suas videiras com paixão e elas te devolverão o melhor”.

Os 4 irmãos prometeram voltar à Mendoza, com o sonho de construir uma vinícola que honrasse a memória de seu avô. Assim em 2003 voltam à província e, em Barrancas, no município de Maipú, iniciaram um novo capítulo de sua história, construindo seu legado: os vinhos da Finca Agostino.

Simplesmente Vinho 2017 entre umas e outras…

Bem, vocês se lembram que estou fazendo os posts ao contrário não? Então…

O Simplesmente Vinho de 2017 cresceu, foi para um local mais que apropriado e ao mesmo tempo nos enche de angústia por querer fazer tudo e o tempo não permite fazer tudo. Lembrando que fiz uma viagem de cinco dias antes do Simplesmente… e cheguei direto para o encontro com a imprensa no gostoso Prova Wine Food & Pleasure.

 

 

De entrada provei um dos destaques deste ano, do meu amigo Vasco Croft da Aphros  que era um PétNat como se chamam os vinhos espumantes de uma fermentação, Pétliant e Naturelle. Eu gravei pelo celular, veja”

 

No Prova, no Porto, fazendo aquecimento para o #simplesmentevinho

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Eu havia levado umas garrafas de brasuca naturebas, do Zenker, da Lizete e da Marina pois nos anos anteriores havia um encontro de jornalistas só com provas, este ano não teve, mas consegui ao menos pegar uma avaliação Cabernet Franc Vinha Unna, que surpreendeu a muitos, como a blogueira inglesa  Sarah Ahamed que não imaginava um vinho assim no Brasil e o Antonio Madeira do Dão que consegui gravar algo com ele, além da Malena Fabregat que organiza o Simplesmente Vinho em Barcelona que acontece por esses dias.

 

#simplesmentevinho #vinhaunna #porto

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Partimos de lá para deixar a mala no Vincci Hoteles, ótimo lugar para se ficar no Porto com um dos mais fartos cafés da manhã que conheço. Recomendo.

Partimos para o Simplesmente… que fica próximo do hotel, caminha-se à beira do Douro e chega-se em poucos minutos pelo Cais Novo. Vejam o espaço vazio que gravei antes do leilão, assim vocês podem ter uma idéia do espaço.

 

Logo ao chegar encontro o Luis Patrão do Vadio (seus vinhos chegam pela Licinio Dias) que estava com um delicioso espumante de inusitado método de estilo solera de várias safras de Bical, Sercial e Baga… saiba por ele mesmo:

 

Na sequência encontro meu amigo Manuel Teixeira o competente homem comercial que conheci há anios em visita à região do Vinho Verde. Ele agora está na Quinta de Maritávora, biológicos do Douro. Veja:

 

 

O Joaquim de Almeida da biodlógica Quinta do Vale dos Pios também faz excelentes vinhos. Não deixe de visitar seu site, vale muito. Mas eu gravei com o Joaquim para você conhece-lo.

 

 

E qual não foi minha agradável surpresa ao me deparar com o simpátco Antonio Souza, um enólogo muito competente e conhecido na região do Vinho Verde. Conheci-o quando visitei a região a convite da Comissão do Vinho Verde, há nos. Antonio me contou que como fazia consultoria para muitos produtores e muitos não tinham onde vinificar, terminou por montar uma vinícola e se entusiasmou a ter sua marca. Aí estão os vinhos da AB Valley Wines. Gostei bastante do que provei e há bons preços.

 

 

Encontro meu amigo João Meneres que me hospedou em sua maravilhosa Quinta do Romeu e depois esteve aqui em São Paulo durante a Feira de Naturebas da Enoteca Saint Vin Saint, ele me contou de um lançamento deles, veja:

 

 

Encontro o enólogo José Domingues que me chama para provar uma delícia de espumante de uma Quinat do Minho, a Quinta de Santiago. Veja a Joana Santiago, proprietária da quinta, falando dos seus vinhos minhotos…

 

 

O Simplesmente já estava bombando quando encontro com Abraham Conlon Chefe do Fat Rice em Chicago e Craig Perman, que fez sua carta e é importador em Chicago. O Abraham fez um jantar no Bocca, que fez muito sucesso e tinha uma sequência de doze pratos!! Fui dormir às 3:30 da manhã!!! Senti falta dos meus cachorros para uma caminhada pela noite do Porto maravilhoso, eles teriam adorado.

Mas falando do Bocca que é do irmão do João Tavares de Pina, recomendo muito a visita ao lugar que é deslumbrante e de comida fantástica. Programe-se em sua próxima visita a esta cidade encantadora chamada Porto.

 

 

Mais adiante encontro os maravilhosos vinhos da Capucha a quem estava devendo um vídeo, meu Deus, é difícil fazer tudo, mas faço o possível e com o tempo vou corrigindo as falhas… Aqui o Pedro Marques fala de sua vinha e seu trabalho. Seu vinho todos os anos são muito comentados entre os visitantes.

 

 

Agora vejam uma curiosidade, veja o que é a comunicação hoje em dia. Em 2016 eu entrevistei o Luis Duarte do Bago de Touriga, falando de seus vinhos que faz em parceria com o João Roseira e fiquei apaixonado por diversos deles, especialmente um laranja de vinhas velhas com predominância de chamado de Govyas codega do larinho e rabigato, chama-se curtimenta e estava sendo lançado, veja o vídeo da época:

 

Então este ano ao encontrar o Luis, fui direto provar de seu curtimenta, mas agora ele se chamava Ambar. então comentei com ele que era o mesmo nome de um maravilhoso laranja do Atelier Tormentas, (leia o link), de Marco Daniele, então ele me explicou a razão do nome, veja:

 

 

Eu queria mesmo era ter quatro braços, sabe. Pois assim poderia ter uma mão para segurar a taça, outra a minha inseparável The Flip, outra para um celular ligada no Instagram e a outra para outro celular com um Facebook Live… Não seria bom?

Encontro então meus amigos da Quinta Edmund Val apresentando um Gim de alvarinho!?… Preciso contar ao Amarante… Gravei com ele e provei. Uma delícia com sete destilações.

 

 

Gin de Alvarinho!!

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Bem perto deles estava o Outeiros Altos do Alentejo com vinhos biológicos maravilhosos inclusive um de talha que adorei. Seus vinhos chegam ao Brasil pela Doc.

 

 

Outeiros Altos. Vinhos biológicos do Alentejo. Na importadora doc de SP #simplesmentevinho

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Foi a hora em que o rock bombou e todos festejavam enquanto as lindas filhas do João Tavares de Pina, a Maria a Rita e a Inês,que não sei estão nessa ordem na foto… assistiam a tudo de camarote.

 

#simplesmentevinho Vinhos Sinceros.

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

É isso, o Simplesmente mal acabou e eu estou morrendo de saudades. Mas em 2018 tem mais. Saúde!!

Simplesmente Vinho 2016 – Post 15

O simplesmente Vinho havia acabado naquela madrugada linda com o grupo caminhando pela maravilhosa cidade do Porto que está viva, repleta de jovens, de vida noturna, de charm.

Mas eu ainda tinha programação, pois o João Roseira e o Vasco programaram uma visita a dos jornalistas estrangeiros ao Aphros!… Não deixe de visitar seu site.

 

A vista era um pouco corrida em função da volta de cada um dos jornalistas, pois o único sortudo que ficaria ainda mais um dia no Porto era o chatododidu… hahahahaa

Fizemos um recorrido ao espaço maravilhoso do Vasco e eu fui gravando umas coisas, veja…

 

 

Era hora de comer algo e fomos para a sala de jantar onde adoraria estar num inverno rigoroso, com a lareira acesa e um bom charuto e a conversa sincera e divertida do Vasco. Nos damos muito bem. Então veio a primeira surpresa:

Um Aphros dos tempos que era Afros… e um branco, de 2007 que estava de matar. Não me lembro a casta, acho que loureiro, não importa, se cheirar embriagasse eu teria ficado a tarde toda curtido a variedade de aromas evoluídos, as flores murchas, o marzipan… show. Fotografei o verso por causa de um poema…

 

Mas não era tudo não, ainda teríamos o Espumante agora da Aphros…

 

Um espetáculo de frescor e densidade, com pérlage delicado e ótima cremosidade. Adorei. Mas então chega mais uma surpresa, a comida maravihosa que vinha das mãos do André Antunes, do Delicatum. Aliás fiquei lisonjeado quando ele me disse que recebeu diversos turistas brasileiros que lá foram e citaram a matéria que fiz do Simplesmente Vinho 2015, pois tivemos lá um dos encontros, veja aqui.

 

 

E como comida chama vinho e vice-versa, e a generosidade do Vasco é grande, lea foi ele em sua adega buscar uma outra garrafa Afros… desta vez um inacreditável Vinhão 2005!

 

Que oportunidade rara, um vinhão com 11 anos! Vinhão nunca me pareceu vinho para guarda, por seu frescor, que é marca registrada do tipo de vinho, o verde tinto. Mas este que provei tinha o frescor mas com evolução no nariz e boca. Não tinha mais aquele rascante dos vinhões jovens, era mais delicado, mas a estrutura estava toda lá, com classe. Adorei a experiência. Grazie Vasco!

Enquanto cada um arrumava suas coisas e distribuía-se os jornalistas em cada carro, tive tempo de me sentar naquela paz da varanda da casa do Vasco e gravar com ele e seu momento. Veja:

 

 

Eu ainda seguiria com o Vasco de carona até o Porto, onde não fazia a menor idéia do que me esperava.

 

Não se leva qualquer um a sua casa, todos sabemos disso e eu fui merecedor desse carinho pelo João Roseira. Não precisava, afinal estava super bem instalado no Hotel  Vincci  (veja o site, o hotel está num antigo entreposto de peixes, sensacional), e poderia muito bem ficar por lá sem dar trabalho a ninguém.

Mas o João foi preparar um Bacalhau a Bras e aprendi que esta receita tem variáveis a gosto de quem faz, porém imprescindível ter sempre o bacalhau desfiado e as batatas palha. O dele estava espetacular e tive o privilégio do convívio da esposa e da sogra, me perdoem não lembrar dos nomes meu Deus… e dos dois amigos inseparáveis do João Roseira, o Charlie, Carlos Fernando da Silva Costa, um cara sensacional de uma cultura incrível e doidão como eu, imagine que ele acorda de madrugada para assistir a um desenho japonês chamado Sargento Keroro!!… hahahaha sensacional. O que você fala ele sabe e acrescenta. Uma pena não ter filmado nada com ele. Peço desculpas por isso Charlie amigo.

A outra pessoa é o Carlão, o artista plástico Karl Own, piis os tres são amigos de décadas e tiveram um conjunto musical!…

Gravei com o Carlão, vejam…

 

 

Bem, após  muito bacalhau, muitos vinhos do Simplesmente, o João resolve abrir uma Magnum de um LBV 1996!!!! Como pode o destino ter reservado essa garrafa lá no Porto para que fosse aberta e desse sua vida para um momento comigo! Só alguém de muita sorte pode ter esse privilégio. E a conversa entrou pela noite e da garrafa acho que sobraram uns tres cálices… Que saudade.

 

 

Ainda tem o dia seguinte, mas fica para outro post… Que bom que escrevo de vinhos e não de parafusos… Saúde!

Simplesmente Vinho 2016 – Post 11

Mais dois destaques que gravei no simplesmente… dois biodinâmicos, um Aphros, ou Palmirinha. Sou um grande fã da biodinâmica por uma questão de inteligência, é a melhor forma de preservar o planeta para nossos netos e a melhor maneira de expressar o terroir.

Estes dois produtores oferecem isso em Portugal, em lugares onde seria fácil dizer: ah… mas aqui nnao funciona, é muita umidade… mas eles mostram que não, há como encontrar equilíbrio nas videiras e produzir maravilhas autênticas.

 

 

Veja o que eles falaram para o catálogo do simplesmente e assistam aos vídeos. No caso do Aphros, terá mais, pois não sabia que iria visitar seu santuário…

“Land Art Biodinâmica? Na verdade é um prazer o ritual de fabrico do preparado 500, que consiste em recolher bosta de vaca fresca no Outono, a qual depois enterramos dentro de cornos (também de vaca), ficando a compostar até a Primavera.” Aqui, fica, nas palavras do Vasco Croft, um pequeno resumo do que é, e como se prepara!, o preparado 500.

Vasco, que não para de surpreender, com a sua nervura. Seja com os Pan ou Daphne e outras Nynphas e Deuses ou, sim, também, com a arquitetura. E, pegando nesta última, pois há construções novas lá para Padreiro, argamassamos estas duas perguntas para o sr. Brandy, ooops, Croft:

1- Explica-nos, tintim por tintim, a tua nova adega.


É assim como um 3 assoalhadas, amplas, com vista para o jardim e 3 piscinas interiores.

2 – Com tanto corno… aposto que te sentes um… sortudo?


Grande é a energia do corno… importante é saber canalizá-la em benefício da felicidade Universal!

Mais informação: Aphros Wine Quinta do Casal do Paço – Padreiro (Salvador) 4970-500 Arcos de Valdevez
Vasco Croft 914 206 772 www.aphros-wine.com info@aphros-wine.com

 

O Fernando Paiva este ano arrebentou com um loureiro som SO2 e outro com SO2 e eram vinhos distintos, um superior ao nariz (com o SO2), outro superior, e muito, na boca (sem SO2). Ele se entusiasmou com a receptividade e ano que vem deve seguir os paços de outro gênio, o Pierre Frick da Alsace que faz isso com alguns de seus vinhos, com resultados excepcionais. Esperemos.

No Catálogo do simplesmente Fernando respondeu a duas perguntas:

O Quinta da Palmirinha continua o seu sucesso internacional, colheitas esgotadas na origem, que contrasta com simplesmente… algum alheamento no nosso .pt. Para além do vinho em nome próprio, parte das uvas são entregues na Vinibio (um dos poucos agrupamentos complementar de empresas), produtor do Mica. O Fernando Paiva, pioneiro da certificação Demeter em biodinâmica, é um exemplo da coragem e vontade de fazer bem e melhor em cada ano. Num terroir difícil, como todos sabemos, para quem não usa químicos de síntese. A modos que lhe dinamizamos estas duas perguntas:

 

1 – Como vês o sucesso do teu vinho nos mercados internacionais?


Foi uma feliz coincidência esta tendência de muitos consumidores preferirem vinhos naturais e o aparecimento do Quinta da Palmirinha. É um vinho muito artesanal, sem maquilhagem, genuíno. Apenas se acrescenta um pouco de sulfuroso, em doses muito reduzidas, e controla-se a temperatura durante a fermentação. Sempre que possível, aproveitamos os dias mais favoráveis do calendário biodinâmico para as intervenções necessárias, seja na adega, seja na vinha. Isto, aliado às preocupações que temos para com o meio ambiente, faz com que este vinho seja tão bem aceite por um público muito exigente.

 

2 – No teu sonho, um grupo de vikings chega à Palmirinha a reclamar os cornos que acabaste de enterrar. E agora?
Esses tipos já tiveram tempo suficiente para aprender que cada um enterra os cornos onde muito bem quer…

Mais informação: Quinta da Palmirinha Rua da Rainha, 499, 4600-632 Amarante  sumbi@sapo.pt

255 422 886 962 785 717

 

 

Vasco Croft na Enoteca Saint Vin Saint

Os produtores biodinâmicos de verdade se percebe até na forma de falar e se apresentar. Vasco Croft é uma pessoa assim, simples, calmo, sereno, seguro, tem absoluta convicção do que está fazendo e arranca elogios e ganha apreciadores por onde passa e mostra seus vinhos.

Perguntei a ele se tinha problemas com a umidade na região dos vinhos verdes para praticar a biodinâmica e ele nem pestanejou em responder que a umidade não é nenhum problema para biodinâmica e contou o que faz para evitar o míldio, que todos justificam não ser possível tratar sem químicos.

Pois é…, fazer biodinâmica não é para qualquer um não. Exige estudar, conhecer e acreditar e isso é difícil de encontrar quem esteja disposto a fazer. Claro que é mais fácil jogar algum veneno lá e se livrar do problema… Vasco sabe o que fazer e isso se vê nos seus vinhos sinceros e finos, com tipicidade, longos. Excelentes. Como gosto de gente assim.

Quando eu era criança e tinha febre, minha mãe perdia horas comigo numa banheira de água quente e esperava a temperatura cair e junto com ela minha febre, seria mais simples e sem trabalho dar umas gotas de novalgina… mas ela não fazia isso. No dia seguinte falava com o Dr. Paiva Ramos, médico da família e homeopata que prescrevia suas bolinhas e tudo se resolvia sem veneno algum em meu corpo. Grazie Mamma.

Assim é o Vasco, que no está nem aí para badalações e fotografias e nhem nhem nhem, ele é aquilo, e está feliz por ser aquilo. Ele é biodinâmcio como seus vinhos.

Em São Paulo você encontra os vinhos do Vasco na Wine Lovers. Veja o vídeo que gravei ontem com ele.

 

Simplesmente Vinho 2015 Parte 4

 

Nosso segundo dia de Simplesmente Vinho começava às 11hs. da manhã, com gravações para o evento. Havia dois jornalistas de fora, aleem de mim, Sarah Ahmed do site The Wine Detetive  e Bruno Quenioux   e nós estamvamos convocados para essas gravações que aconteceram no mesmo local do evento e também no escritório do pessoal da Skrei  Eu aproveitei e gravei algo deles, veja:

 

 

Na sequência tivemos um almoço no DOP, do badalado chef  Rui Paula que inclusive tem restaurante no Brasil em  Recife. Fizemos algumas gravações juntos para os vídeos do evento. Ele é uma simpatia e dono de grande talento.

 

 

Nesse almoço pude conversar com diversos produtores que se revezavam a meu lado, com seus vinhos, um grande privilégio. Caso do divertido Miguel Louro da Quinta do Mouro, Tony Smith da Covela, Vasco Croft da Aphros, Cristelle e Casimir da Fonte do Gonçalvinho, João Menéres da  Quinta do Romeu e uma pessoa especial, o João Roseira da Quinta do Infantado.

Digo que João é especial, pois tem um senso de responsabilidade e controle de tudo o que se passa no evento, que raramente vi em alguém, depois ele é super bem humorado,  costuma fingir que foi a pique e do nada, altas da madrugada, cai da cadeira como se tivesse desmaiado… todos correm e era uma brincadeira… esse é o João Roseira, que ao mesmo tempo sabe de tudo, saca tudo e todos e faz sua parte. Uma pessoa especial. Ele me contou do estilo de seu vinho, veja:

 

 

Como o João Roseira parece maluco mas não é, os horários estavam sempre sob seu controle e nossa conversa foi interrompida para voltarmos ao “trabalho” pois logo começaria o Simplesmente. Preferi descer  à pé com muita calma e saboreando um charuto e ir ao encontro da Nazira que estava no “seu” ritmo lá no nosso simpático aposento.

Foi interessante e gratificante conhecer pessoalmente o fotógrafo Ricardo Bernardo, meu amigo de facebook que é uma simpatia e ótimo papo. Eu fico tão feliz quando encontro alguém do mundo virtual do vinho e posso ter um contato verdadeiro. Parece que por um momento comandamos a tecnologia…

 

Então eis que acontece o momento mais “nonsense” de toda essa viagem. O Mateus vinha com uma garrafa na mão e eu quis gravar algo com ele, sobre seus vinhos Muxagat, que eu adoro aliás, aproveito o momento e ele me conta sobre aquela garrafa, veja o vídeo primeiro que eu continuo a história abaixo…

 

 

Pois como num cena de filme, surge da rampa que vinha do rio Douro,  o Anton Mann!…  e o Mateus me pergunta se eu entendo bem o inglês. Respondo que entendo bem tanto o francês como o inglês, se falado lentamente.

Importante dizer que à esta altura estávamos já todos um pouco felizes, digamos assim, tanto que por diversas vezes trouxe a conversa para longe da beira do cais, pois não havia ali um parapeito e me preocupava que alguém caísse no Douro…

Bem, o Mateus vira-se para o Anton Mann que é bem doidão e diz em inglês a ele para falar devagar para que eu entendesse. E o Anton começa então a se apresentar e a falar do projeto em… francês!!  O Mateus que é culto e fluente em francês e inglês, não percebeu, eu me esforçava a conversar com um cara de Bristol, que falava muito mal francês… foi uma cena de comédia, mas nos entendemos e foi divertidíssimo.

O rótulo do vinho trará a frase: Feito pelos Rebeldes, Transportado por Piratas, Bebido por Heróis… Esse Mateus é genial. O Anton em lugar de me dar um cartão, me deu uma nota 1 Bristol Pound, um dinheiro legal que só circula lá e contribui para a ecologia, segundo o meu pouco entendimento de francês mal falado com sotaque de Bristol…

 

Naquela multidão consegui ir encontrando um caminho até o Vasco Croft pois ele havia me falado durante o almoço que estava trabalhando num vinho em ânfora e que tinha lá uma amostra, fui ao encontro dele e gravei com ele também…

 

Foi gratificante também entre os vinhos que lá estavam encontrar uma moça, a Luisa Sarmento apresentando o seu primeiro vinho, o Palmeirim d’Inglaterra. A foto ficou péssima, mas vou usar a do site da Sarah, acho que ela não se importará…

Me surpreendi também ao encontrar o Luis Seabra com seu projeto solo,  que é delicioso e que o Ciro Lilla vai trazer para cá.

Também os vinhos deliciosos e naturais, os irreverentes vinhos do Vale dos Pios, de ótimo preço ex-cellar. Contatos com o joaquim@pios.pt

E provar essa maravilha de vinho regional Lisboa da Marta Soares e Antonio Vital?… Meu Deus. Casal Figueira.

A festa rolou até tarde da noite e o nosso jantar de comemoração invadiu o dia seguinte no andar de cima da Casa Ribeiro, onde não faltaram discursos e brindes de todos. Uma grande festa.

 

Estes dois Amigos visionários me deram a incumbência de levar para 2016 quatro produtores brasileiros de vinhos naturais, pois dentro do conceito do evento, há a ligação natural de Brasil e Portugal, como constatamos em diversas conversas.

Eles não fazem a menor idéia de que o Brasil tem vinhos da qualidade que temos.  Domínio Vicari, do Era dos Ventos, do Tormentas, da Arte da Vinha, da Vinha Unna, do Serena, do De Lucca seriam uma grande e grata surpresa para o simplesmente Vinho.  Vinhos naturais e puros, que também estão preocupados com a preservação da nossa cultura, o resgate de castas, a luta pela sobrevivência.

Eu adoraria que esses produtores estivessem mais perto, pois os problemas são idênticos, a busca por um vinho sincero, um vinho de terroir, o vinho do vigneron, o vinho que respeita a natureza e preserva a cultura, o vinho que não tem apoio governamental (infelizmente) e que não pode competir com os grandes produtores. Conversando com eles percebi como seus problemas são exatamente iguais aos nossos.

O Simplesmente Vinho 2015 como evento acabava naquela noite, mas ainda teríamos um almoço no dia seguinte com palestra do Bruno Quenioux e algumas surpresas mais e eu ainda tinha caminho pela frente, momentos inimagináveis de ternura, sinceridade, consciência de família e muito carinho, que contarei nos próximos capítulos. Saúde!!

Simplesmente Vinho 2015

Eu estou neste momento revisando minha mala e a da Nazira, que nunca se conforma como eu levo pouca roupa em viagens, pois embarcamos após o carnaval para acompanhar o Simplesmente Vinho.

 

Para mim é uma alegria ao sol de 30 graus colocar cachecóis, malhas de lã e capas ao sol para depois colocá-los na mala e embarcar para cerca de 5 a 9 º. Acho isso o máximo. Antes visitaremos as netas e meu filho Viking em Ilha Bela, claro. Estou morrendo de saudades.

 

 

O Simplesmente Vinho é um evento alternativo (não deixe de ver o vídeo neste link), jovem, feliz e cheio de alegria, bem no espírito de seus vinhos. Em seu site você pode ler:

” simplesmente… Vinho 2015 é um salão off, manifestação de nicho, independente e alternativa, que reúne na Ribeira do Porto, produtores unidos simplesmente… pelo Vinho.
Vinho que respeita a terra e os terroirs, as vinhas e as uvas, as pessoas e as tradições. Vinho que simplesmente… quer ser vinho, bebido, apreciado, partilhado. Vinhos diferentes e com uma dose saudável de loucura e poesia”

 

 

Vou ter o prazer de estar lá a convite deles e acompanhar essa festa. Estarei com diversos produtores como o Mateus Nicolau de Almeida (veja o vídeo acima), com seus fantásticos e sinceros vinhos Muxagat, encontrarei o simpático João Roseira da Quinta do Infantado, que se desdobrou em viabilizar a ida da Nazira nessa viagem,  visitarei a Quinta da Boavista de João Tavares de Pina, a Quinta de Darei, almoçarei com diversos produtores, visitarei a Quinta da Palmirinha (primeiro vinho certificado biodinâmico pela Demeter em Portugal), de Fernando Paiva. Visitarei Lixa e Amarante, encontrarei os Young Winemakers, reverei meu amigo Antonio Lopes Ribeiro e visitarei sua Quinta de Mouraz, além da atração principal que é o Simplesmente Vinho, com tantas atrações e com meus amigos Luis e Filipa Pato, Dirk Nieport (como admiro seus vinhos), o Alvaro de Castro e sua filha Maria, Vasco Croft do Aphros e tantos outros.

Estou eufórico em ir a Portugal novamente, o que sempre me alegra, rever a terra de meu avô materno Licinio Granja, se pudesse iria até a praia da Granja para um mergulho mesmo neste tempo frio, para banhar-me no DNA materno. Depois conto tudo a vocês.