Posts com a tag Quinta do Romeu

Simplesmente Vinho 2017 entre umas e outras…

Bem, vocês se lembram que estou fazendo os posts ao contrário não? Então…

O Simplesmente Vinho de 2017 cresceu, foi para um local mais que apropriado e ao mesmo tempo nos enche de angústia por querer fazer tudo e o tempo não permite fazer tudo. Lembrando que fiz uma viagem de cinco dias antes do Simplesmente… e cheguei direto para o encontro com a imprensa no gostoso Prova Wine Food & Pleasure.

 

 

De entrada provei um dos destaques deste ano, do meu amigo Vasco Croft da Aphros  que era um PétNat como se chamam os vinhos espumantes de uma fermentação, Pétliant e Naturelle. Eu gravei pelo celular, veja”

 

No Prova, no Porto, fazendo aquecimento para o #simplesmentevinho

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Eu havia levado umas garrafas de brasuca naturebas, do Zenker, da Lizete e da Marina pois nos anos anteriores havia um encontro de jornalistas só com provas, este ano não teve, mas consegui ao menos pegar uma avaliação Cabernet Franc Vinha Unna, que surpreendeu a muitos, como a blogueira inglesa  Sarah Ahamed que não imaginava um vinho assim no Brasil e o Antonio Madeira do Dão que consegui gravar algo com ele, além da Malena Fabregat que organiza o Simplesmente Vinho em Barcelona que acontece por esses dias.

 

#simplesmentevinho #vinhaunna #porto

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Partimos de lá para deixar a mala no Vincci Hoteles, ótimo lugar para se ficar no Porto com um dos mais fartos cafés da manhã que conheço. Recomendo.

Partimos para o Simplesmente… que fica próximo do hotel, caminha-se à beira do Douro e chega-se em poucos minutos pelo Cais Novo. Vejam o espaço vazio que gravei antes do leilão, assim vocês podem ter uma idéia do espaço.

 

Logo ao chegar encontro o Luis Patrão do Vadio (seus vinhos chegam pela Licinio Dias) que estava com um delicioso espumante de inusitado método de estilo solera de várias safras de Bical, Sercial e Baga… saiba por ele mesmo:

 

Na sequência encontro meu amigo Manuel Teixeira o competente homem comercial que conheci há anios em visita à região do Vinho Verde. Ele agora está na Quinta de Maritávora, biológicos do Douro. Veja:

 

 

O Joaquim de Almeida da biodlógica Quinta do Vale dos Pios também faz excelentes vinhos. Não deixe de visitar seu site, vale muito. Mas eu gravei com o Joaquim para você conhece-lo.

 

 

E qual não foi minha agradável surpresa ao me deparar com o simpátco Antonio Souza, um enólogo muito competente e conhecido na região do Vinho Verde. Conheci-o quando visitei a região a convite da Comissão do Vinho Verde, há nos. Antonio me contou que como fazia consultoria para muitos produtores e muitos não tinham onde vinificar, terminou por montar uma vinícola e se entusiasmou a ter sua marca. Aí estão os vinhos da AB Valley Wines. Gostei bastante do que provei e há bons preços.

 

 

Encontro meu amigo João Meneres que me hospedou em sua maravilhosa Quinta do Romeu e depois esteve aqui em São Paulo durante a Feira de Naturebas da Enoteca Saint Vin Saint, ele me contou de um lançamento deles, veja:

 

 

Encontro o enólogo José Domingues que me chama para provar uma delícia de espumante de uma Quinat do Minho, a Quinta de Santiago. Veja a Joana Santiago, proprietária da quinta, falando dos seus vinhos minhotos…

 

 

O Simplesmente já estava bombando quando encontro com Abraham Conlon Chefe do Fat Rice em Chicago e Craig Perman, que fez sua carta e é importador em Chicago. O Abraham fez um jantar no Bocca, que fez muito sucesso e tinha uma sequência de doze pratos!! Fui dormir às 3:30 da manhã!!! Senti falta dos meus cachorros para uma caminhada pela noite do Porto maravilhoso, eles teriam adorado.

Mas falando do Bocca que é do irmão do João Tavares de Pina, recomendo muito a visita ao lugar que é deslumbrante e de comida fantástica. Programe-se em sua próxima visita a esta cidade encantadora chamada Porto.

 

 

Mais adiante encontro os maravilhosos vinhos da Capucha a quem estava devendo um vídeo, meu Deus, é difícil fazer tudo, mas faço o possível e com o tempo vou corrigindo as falhas… Aqui o Pedro Marques fala de sua vinha e seu trabalho. Seu vinho todos os anos são muito comentados entre os visitantes.

 

 

Agora vejam uma curiosidade, veja o que é a comunicação hoje em dia. Em 2016 eu entrevistei o Luis Duarte do Bago de Touriga, falando de seus vinhos que faz em parceria com o João Roseira e fiquei apaixonado por diversos deles, especialmente um laranja de vinhas velhas com predominância de chamado de Govyas codega do larinho e rabigato, chama-se curtimenta e estava sendo lançado, veja o vídeo da época:

 

Então este ano ao encontrar o Luis, fui direto provar de seu curtimenta, mas agora ele se chamava Ambar. então comentei com ele que era o mesmo nome de um maravilhoso laranja do Atelier Tormentas, (leia o link), de Marco Daniele, então ele me explicou a razão do nome, veja:

 

 

Eu queria mesmo era ter quatro braços, sabe. Pois assim poderia ter uma mão para segurar a taça, outra a minha inseparável The Flip, outra para um celular ligada no Instagram e a outra para outro celular com um Facebook Live… Não seria bom?

Encontro então meus amigos da Quinta Edmund Val apresentando um Gim de alvarinho!?… Preciso contar ao Amarante… Gravei com ele e provei. Uma delícia com sete destilações.

 

 

Gin de Alvarinho!!

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Bem perto deles estava o Outeiros Altos do Alentejo com vinhos biológicos maravilhosos inclusive um de talha que adorei. Seus vinhos chegam ao Brasil pela Doc.

 

 

Outeiros Altos. Vinhos biológicos do Alentejo. Na importadora doc de SP #simplesmentevinho

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Foi a hora em que o rock bombou e todos festejavam enquanto as lindas filhas do João Tavares de Pina, a Maria a Rita e a Inês,que não sei estão nessa ordem na foto… assistiam a tudo de camarote.

 

#simplesmentevinho Vinhos Sinceros.

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

É isso, o Simplesmente mal acabou e eu estou morrendo de saudades. Mas em 2018 tem mais. Saúde!!

Simplesmente Vinho 2016 – Post 2

João Menéres e seu pai João Pedro Menéres

Minhas idas ao Simplesmente sempre contemplam visitas a produtores. Eu adoro, afinal não são produtores de parafusos, mas de vinhos…

Assim, na minha chegada ao Porto tive a agradável recepção de João Menéres da Quinta do Romeu, (não deixe de visitar seu site), eu já conhecia o João que esteve na Feira de Naturebas da Enoteca Saint Vin Saint em 2015.

 

Ao entrar em seu carro tive a grata surpresa de conhecer o Rossi, que acompanha o Joåo por onde ele vá. Um espetáculo de cachorro, simpático, alegre, livre, rústico. Adorei. Ele foi até o Douro numa boa sentado atrás do João Menéres.

Chegando lá fui recebido com dois arco-iris…

 

 

No caminho, mesmo com o tempo chuvoso e um frio de lascar, gravei alguns momentos com o João Menéres que vale assistir…

Para quem não sabe do que se trata a Quinta do Romeu, basta dizer que a propriedade tem mais de 1.200 hectares que foram comprados pelo visionário tris avô do João Menéres, Clemente Guimarães Menéres, que em 1874 com 31 anos subiu até Trás os Montes e foi comprando propriedades de sobreiors, consideradas improdutivas, chegando a esse volume de propriedades que totalizaram 2.100 escrituras em cartório!

 

Seu filho Manoel Menéres seguiu seus passos empreendedores e promoveu melhorias e bem feitorias na região e restaurando vilas, recuperando casas e criando escolas. O Restaurante Maria Rita é uma dessas recuperações, juntamente com o Museu de Curiosidades que existem para que sua receita financeira mantenha a escola. Genial.

 

 

O local tem ótima culinária que foi toda retirada dos livros de receita da família. Um espetáculo diga-se, veja uma foto do interior do Restaurante.

 

 

 

É bonito ver uma família conservando e mantendo um local e contribuindo para a cultura. A Quinta do Romeu que é certificada Bio, tem matas, Cortiça, Azeite (premiadíssimo) e Vinho. Seu vinho infelizmente não está no Brasil, há os tranqüilos e os Porto, todos espetaculares, como esta preciosidade de 2011 que estava de babar.

 

 

O Romeu faz um Porto Tawny que não é filtrado e por tanto não pode ser vendido comercialmente pois pelas regras da DOC e do Instituto, um Tawny necessariamente deve ser filtrado. Eu tive o privilégio de beber quase toda a garrafas de um deles, da safra de 1980, com a agradável conversa do João Menéres, à beira da lareira numa noite gelada, com a companhia do Rossi.

 

 

 

Na manhã seguinte, depois de dormir como um nenê em um quarto confortabilíssimo com dois aquecedores, conheci o João Pedro Menéres, pai do João, uma pessoa elegante e agradável com quem tomei o “pequeno almoço” à beira do fogo e com pães tostados… Saudade. Antes de partir ainda tirei uma foto do João ao lado de uma vinha centenária de seu tris avô  Clemente.

 

 

O João ainda me levaria ao encontro do Tiago Sampaio do Folias de Baco, mas esta é uma outra parada que contarei amanhã.

Naturebas 2015 – Brasil, Portugal, Itália

Consegui finalmente subir os últimos vídeos da Feira de Vinhos Naturebas da Enoteca Saint Vin Saint. Administrar o in-put e o out-put não é nada fácil para quem faz tudo: Degusta, grava, edita, escreve, publica…

 

O Rodrigo do Entre Vilas estava na Feira de Naturebas e deu um show com uma variedade enorme de experimentos, inclusive de um vinho com adição de lúpulo, que funcionou como conservante natural. Conheça esse cara que faz vinho puro em São Bento do Sapucaí, lugar que merece uma visita. São Paulo fazendo vinho…

 

 

 

Dois portugueses também marcaram presença na Feira de Naturebas 2015, um o  João Meneres da Quinta do Romeu, que infelizmente não tem seus vinhos no Brasil ainda. Conheça o João e saiba de sua quinta e de seu projeto orgânico que inclui também azeite e cortiça além do vinho..

 

 

Pedro Ribeiro do Bojador que produz vinho orgânico em talhas, seu branco é surpreendente, denso, mineral, super sápido. show. Conheça o Pedro falando de sua Quinta.Os vinhos dele chegam pela Wine Lovers.

 

 

Conheça também a Posca Bianca e a Posca Rossa, a novidade da Metamorfosi em vinho simples do dia-a-dia, que não vejo a hora de chegar, biodinâmico do Orsi Vigneto San Vito

 

Simplesmente Vinho 2015 Parte 4

 

Nosso segundo dia de Simplesmente Vinho começava às 11hs. da manhã, com gravações para o evento. Havia dois jornalistas de fora, aleem de mim, Sarah Ahmed do site The Wine Detetive  e Bruno Quenioux   e nós estamvamos convocados para essas gravações que aconteceram no mesmo local do evento e também no escritório do pessoal da Skrei  Eu aproveitei e gravei algo deles, veja:

 

 

Na sequência tivemos um almoço no DOP, do badalado chef  Rui Paula que inclusive tem restaurante no Brasil em  Recife. Fizemos algumas gravações juntos para os vídeos do evento. Ele é uma simpatia e dono de grande talento.

 

 

Nesse almoço pude conversar com diversos produtores que se revezavam a meu lado, com seus vinhos, um grande privilégio. Caso do divertido Miguel Louro da Quinta do Mouro, Tony Smith da Covela, Vasco Croft da Aphros, Cristelle e Casimir da Fonte do Gonçalvinho, João Menéres da  Quinta do Romeu e uma pessoa especial, o João Roseira da Quinta do Infantado.

Digo que João é especial, pois tem um senso de responsabilidade e controle de tudo o que se passa no evento, que raramente vi em alguém, depois ele é super bem humorado,  costuma fingir que foi a pique e do nada, altas da madrugada, cai da cadeira como se tivesse desmaiado… todos correm e era uma brincadeira… esse é o João Roseira, que ao mesmo tempo sabe de tudo, saca tudo e todos e faz sua parte. Uma pessoa especial. Ele me contou do estilo de seu vinho, veja:

 

 

Como o João Roseira parece maluco mas não é, os horários estavam sempre sob seu controle e nossa conversa foi interrompida para voltarmos ao “trabalho” pois logo começaria o Simplesmente. Preferi descer  à pé com muita calma e saboreando um charuto e ir ao encontro da Nazira que estava no “seu” ritmo lá no nosso simpático aposento.

Foi interessante e gratificante conhecer pessoalmente o fotógrafo Ricardo Bernardo, meu amigo de facebook que é uma simpatia e ótimo papo. Eu fico tão feliz quando encontro alguém do mundo virtual do vinho e posso ter um contato verdadeiro. Parece que por um momento comandamos a tecnologia…

 

Então eis que acontece o momento mais “nonsense” de toda essa viagem. O Mateus vinha com uma garrafa na mão e eu quis gravar algo com ele, sobre seus vinhos Muxagat, que eu adoro aliás, aproveito o momento e ele me conta sobre aquela garrafa, veja o vídeo primeiro que eu continuo a história abaixo…

 

 

Pois como num cena de filme, surge da rampa que vinha do rio Douro,  o Anton Mann!…  e o Mateus me pergunta se eu entendo bem o inglês. Respondo que entendo bem tanto o francês como o inglês, se falado lentamente.

Importante dizer que à esta altura estávamos já todos um pouco felizes, digamos assim, tanto que por diversas vezes trouxe a conversa para longe da beira do cais, pois não havia ali um parapeito e me preocupava que alguém caísse no Douro…

Bem, o Mateus vira-se para o Anton Mann que é bem doidão e diz em inglês a ele para falar devagar para que eu entendesse. E o Anton começa então a se apresentar e a falar do projeto em… francês!!  O Mateus que é culto e fluente em francês e inglês, não percebeu, eu me esforçava a conversar com um cara de Bristol, que falava muito mal francês… foi uma cena de comédia, mas nos entendemos e foi divertidíssimo.

O rótulo do vinho trará a frase: Feito pelos Rebeldes, Transportado por Piratas, Bebido por Heróis… Esse Mateus é genial. O Anton em lugar de me dar um cartão, me deu uma nota 1 Bristol Pound, um dinheiro legal que só circula lá e contribui para a ecologia, segundo o meu pouco entendimento de francês mal falado com sotaque de Bristol…

 

Naquela multidão consegui ir encontrando um caminho até o Vasco Croft pois ele havia me falado durante o almoço que estava trabalhando num vinho em ânfora e que tinha lá uma amostra, fui ao encontro dele e gravei com ele também…

 

Foi gratificante também entre os vinhos que lá estavam encontrar uma moça, a Luisa Sarmento apresentando o seu primeiro vinho, o Palmeirim d’Inglaterra. A foto ficou péssima, mas vou usar a do site da Sarah, acho que ela não se importará…

Me surpreendi também ao encontrar o Luis Seabra com seu projeto solo,  que é delicioso e que o Ciro Lilla vai trazer para cá.

Também os vinhos deliciosos e naturais, os irreverentes vinhos do Vale dos Pios, de ótimo preço ex-cellar. Contatos com o joaquim@pios.pt

E provar essa maravilha de vinho regional Lisboa da Marta Soares e Antonio Vital?… Meu Deus. Casal Figueira.

A festa rolou até tarde da noite e o nosso jantar de comemoração invadiu o dia seguinte no andar de cima da Casa Ribeiro, onde não faltaram discursos e brindes de todos. Uma grande festa.

 

Estes dois Amigos visionários me deram a incumbência de levar para 2016 quatro produtores brasileiros de vinhos naturais, pois dentro do conceito do evento, há a ligação natural de Brasil e Portugal, como constatamos em diversas conversas.

Eles não fazem a menor idéia de que o Brasil tem vinhos da qualidade que temos.  Domínio Vicari, do Era dos Ventos, do Tormentas, da Arte da Vinha, da Vinha Unna, do Serena, do De Lucca seriam uma grande e grata surpresa para o simplesmente Vinho.  Vinhos naturais e puros, que também estão preocupados com a preservação da nossa cultura, o resgate de castas, a luta pela sobrevivência.

Eu adoraria que esses produtores estivessem mais perto, pois os problemas são idênticos, a busca por um vinho sincero, um vinho de terroir, o vinho do vigneron, o vinho que respeita a natureza e preserva a cultura, o vinho que não tem apoio governamental (infelizmente) e que não pode competir com os grandes produtores. Conversando com eles percebi como seus problemas são exatamente iguais aos nossos.

O Simplesmente Vinho 2015 como evento acabava naquela noite, mas ainda teríamos um almoço no dia seguinte com palestra do Bruno Quenioux e algumas surpresas mais e eu ainda tinha caminho pela frente, momentos inimagináveis de ternura, sinceridade, consciência de família e muito carinho, que contarei nos próximos capítulos. Saúde!!

Ramatis 33 anos

 

Ramatis recebeu parabéns do sobrinho Benjamin que agora fala pra caramba e dá canseira na família inteira…

Depois abriu os queijos com sotaque que trouxe de Santa Catarina, queijos que você poderá encontrar na Enoteca Saint Vin Saint e que são simplesmente espetaculares, feitos por uma francesa que se apaixonou por lá.

Começamos com uma preciosidade que não tem rótulo, nem nome, não está no mercado (por enquanto) e que é uma velha reclamação minha. Um vinho bem feito de uva isabel. O Isabelão como chamamos.

Por que ninguém faz um vinho de mesa bem feito, selecionando as uvas e cuidando de tudo como se fosse um vinho fino? A resposta chama-se Vergonha. O brasileiro tem vergonha desse vinho, líder de mercado e normalmente mal feito.

Pois acontece que lá no paraíso da praia do Rosa, a Lizete Vicari faz um só para ela e que no ano que vem estará à venda na Enoteca Saint Vin Saint. Uma delícia.

Bebemos um 2008, por tanto com seis anos, sem adição de nada, totalmente natural, limpo, puro, com 11% de álcool. Pois o vinho tinha tipicidade da isabel e tinha evolução. Adorei e beberia um garrafão dele, fresquinho, delicioso.

Fomos para o Viejas Tinajas Muscat 2012 que eu estava doido para provar. O Leo levou uma garrafa e foi o maior sucesso. Vinho delicioso, denso e fresco, aquela pegada de vinhos laranja, com a flor de camomila na boca. Adorei. Admiro demais a coragem e a competência de Marcelo Retamal.

Fomos para o Heida, generosidade do Pagliari, vinho do Valais com toques de feno seco e cevada. Delícia.

 

Depois partimos para outro vinho que Don Jerez trouxe, o Pinot Grigio do Veneza Giulia, Attems, importado pela Ravin. Ramato é um IGT de vinhos com masceração prolongada. Show.

 

O Arbois, 100% Pulsard, já provou, foi gentileza do Leo e estava simplesmente dos deuses. Espetacular.

 

O prato foi pedido do aniversariante à Dna. Nazira: Quiabo com músculo, que já dei a receita, mas você pode assistir novamente abaixo…

 

 

Antes de atacarmos o Quiabo com Músculo porém, o Pagliari sugeriu provar os queijos com uma novidade que ele havia trazido, um Macvin do Jurá. Já ouviu falar?. Veja o vídeo:

 

O vinho iria mostrar competência também ao final, com o bolo de chocolate que a Clarinha fez e estava maravilhoso. O Macvin tinha um incrível nariz de whisky. Sensacional.

Hora de partirmos para os tintos. O Ramatis resolveu fazer o serviço e vejam como ele ficou…

 

Era um experimento do Luiz Herique Zanini, que além dessa garrafa de espumante tinto seco de Marselan, delicioso e intenso, maravilhoso, nos mandou também um increditável Teroldego do Era dos Ventos. Grazie Zanini e Alvaro Escher. Estava simplesmente divino. Um dos melhores vinhos brasileiros certamente. Eu gravei o Ramatis abrindo a garrafa na pia de serviço. Graças a Deus foi lá…

 

Parimos então para uma garrafa especialíssima que a Lizete me mandou de presente numa caixa de surpresas e que mereceu um vídeo que gravei com a Lis. Um espetacular Clarete de 2008! Simplesmente um Bordeaux das antigas, clarinho e com raça, fresco, longo, delicioso. Este dela é com Merlot e Riesling Itálico.

 


 

Fomos para duas delícias, uma do douro que não conhecia, o orgânico Quinta do Romeu e o top da Casa de Mouraz, de meu amigo António Lopes Ribeiro, um produtor raro que produz vinhos sinceros no Dão que infelizmente está sem importador no Brasil. Estava de tomar ajoelhado…

 

 

Eu terminei com o Teroldego da Era dos Ventos, abaixo servido pelo aniversariante…

 

Que dia maravilhoso, só faltou o Viking com suas filhas maravilhosas, mas haverá muitas outras datas para estarmos juntos. Saúde! Grazie Dio.