Posts com a tag João Roseira

Simplesmente Vinho 2018

O simplesmente… Vinho 2018 já tem data e local, Será nos dias 23 e 24 de fevereiro no Cais Novo no Porto. Seu site ainda não está atualizado, mas logo estará, mas você pode dar uma olhadinha para saber como foi 2017.

O Simplesmente… Vinho é um salão off, manifestação de nicho, independente e alternativa, que reúne no Cais Novo, produtores unidos simplesmente… pelo Vinho.

Vinho que respeita a terra e os terroirs, as vinhas e as uvas, as pessoas e as tradições. Vinho que simplesmente… quer ser vinho, bebido, apreciado, partilhado. Vinhos diferentes e com uma dose saudável de loucura e poesia.
Nesta 5ª edição, o simplesmente… Vinho, muda-se da Ribeira para… o Cais Novo…
É conhecido, simplesmente… adoramos o rio Douro!
Em 2017, somos… Vignerons! somos Artistas! somos Solidários!

Se você tem viagem programada para Portugal nesse período, sugiro que se organize para conhecer este movimento que está em sua 6a edição, vai que você encontra a Madona por lá?…

Abaixo um vídeo com João Roseira o criador e organizador do evento, que gravei no ano passado e alguns links que vale você ver. Há muito material meu no Google sobre o Simplesmente Vinho, que acompanho desde sua 2a Edição. Há coisa boa para ver.

 

Simplesmente… Vinho 2017

Simplesmente… Vinho 2017 – Dão

 

Simplesmente Vinho 2017 entre umas e outras…

Bem, vocês se lembram que estou fazendo os posts ao contrário não? Então…

O Simplesmente Vinho de 2017 cresceu, foi para um local mais que apropriado e ao mesmo tempo nos enche de angústia por querer fazer tudo e o tempo não permite fazer tudo. Lembrando que fiz uma viagem de cinco dias antes do Simplesmente… e cheguei direto para o encontro com a imprensa no gostoso Prova Wine Food & Pleasure.

 

 

De entrada provei um dos destaques deste ano, do meu amigo Vasco Croft da Aphros  que era um PétNat como se chamam os vinhos espumantes de uma fermentação, Pétliant e Naturelle. Eu gravei pelo celular, veja”

 

No Prova, no Porto, fazendo aquecimento para o #simplesmentevinho

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Eu havia levado umas garrafas de brasuca naturebas, do Zenker, da Lizete e da Marina pois nos anos anteriores havia um encontro de jornalistas só com provas, este ano não teve, mas consegui ao menos pegar uma avaliação Cabernet Franc Vinha Unna, que surpreendeu a muitos, como a blogueira inglesa  Sarah Ahamed que não imaginava um vinho assim no Brasil e o Antonio Madeira do Dão que consegui gravar algo com ele, além da Malena Fabregat que organiza o Simplesmente Vinho em Barcelona que acontece por esses dias.

 

#simplesmentevinho #vinhaunna #porto

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Partimos de lá para deixar a mala no Vincci Hoteles, ótimo lugar para se ficar no Porto com um dos mais fartos cafés da manhã que conheço. Recomendo.

Partimos para o Simplesmente… que fica próximo do hotel, caminha-se à beira do Douro e chega-se em poucos minutos pelo Cais Novo. Vejam o espaço vazio que gravei antes do leilão, assim vocês podem ter uma idéia do espaço.

 

Logo ao chegar encontro o Luis Patrão do Vadio (seus vinhos chegam pela Licinio Dias) que estava com um delicioso espumante de inusitado método de estilo solera de várias safras de Bical, Sercial e Baga… saiba por ele mesmo:

 

Na sequência encontro meu amigo Manuel Teixeira o competente homem comercial que conheci há anios em visita à região do Vinho Verde. Ele agora está na Quinta de Maritávora, biológicos do Douro. Veja:

 

 

O Joaquim de Almeida da biodlógica Quinta do Vale dos Pios também faz excelentes vinhos. Não deixe de visitar seu site, vale muito. Mas eu gravei com o Joaquim para você conhece-lo.

 

 

E qual não foi minha agradável surpresa ao me deparar com o simpátco Antonio Souza, um enólogo muito competente e conhecido na região do Vinho Verde. Conheci-o quando visitei a região a convite da Comissão do Vinho Verde, há nos. Antonio me contou que como fazia consultoria para muitos produtores e muitos não tinham onde vinificar, terminou por montar uma vinícola e se entusiasmou a ter sua marca. Aí estão os vinhos da AB Valley Wines. Gostei bastante do que provei e há bons preços.

 

 

Encontro meu amigo João Meneres que me hospedou em sua maravilhosa Quinta do Romeu e depois esteve aqui em São Paulo durante a Feira de Naturebas da Enoteca Saint Vin Saint, ele me contou de um lançamento deles, veja:

 

 

Encontro o enólogo José Domingues que me chama para provar uma delícia de espumante de uma Quinat do Minho, a Quinta de Santiago. Veja a Joana Santiago, proprietária da quinta, falando dos seus vinhos minhotos…

 

 

O Simplesmente já estava bombando quando encontro com Abraham Conlon Chefe do Fat Rice em Chicago e Craig Perman, que fez sua carta e é importador em Chicago. O Abraham fez um jantar no Bocca, que fez muito sucesso e tinha uma sequência de doze pratos!! Fui dormir às 3:30 da manhã!!! Senti falta dos meus cachorros para uma caminhada pela noite do Porto maravilhoso, eles teriam adorado.

Mas falando do Bocca que é do irmão do João Tavares de Pina, recomendo muito a visita ao lugar que é deslumbrante e de comida fantástica. Programe-se em sua próxima visita a esta cidade encantadora chamada Porto.

 

 

Mais adiante encontro os maravilhosos vinhos da Capucha a quem estava devendo um vídeo, meu Deus, é difícil fazer tudo, mas faço o possível e com o tempo vou corrigindo as falhas… Aqui o Pedro Marques fala de sua vinha e seu trabalho. Seu vinho todos os anos são muito comentados entre os visitantes.

 

 

Agora vejam uma curiosidade, veja o que é a comunicação hoje em dia. Em 2016 eu entrevistei o Luis Duarte do Bago de Touriga, falando de seus vinhos que faz em parceria com o João Roseira e fiquei apaixonado por diversos deles, especialmente um laranja de vinhas velhas com predominância de chamado de Govyas codega do larinho e rabigato, chama-se curtimenta e estava sendo lançado, veja o vídeo da época:

 

Então este ano ao encontrar o Luis, fui direto provar de seu curtimenta, mas agora ele se chamava Ambar. então comentei com ele que era o mesmo nome de um maravilhoso laranja do Atelier Tormentas, (leia o link), de Marco Daniele, então ele me explicou a razão do nome, veja:

 

 

Eu queria mesmo era ter quatro braços, sabe. Pois assim poderia ter uma mão para segurar a taça, outra a minha inseparável The Flip, outra para um celular ligada no Instagram e a outra para outro celular com um Facebook Live… Não seria bom?

Encontro então meus amigos da Quinta Edmund Val apresentando um Gim de alvarinho!?… Preciso contar ao Amarante… Gravei com ele e provei. Uma delícia com sete destilações.

 

 

Gin de Alvarinho!!

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Bem perto deles estava o Outeiros Altos do Alentejo com vinhos biológicos maravilhosos inclusive um de talha que adorei. Seus vinhos chegam ao Brasil pela Doc.

 

 

Outeiros Altos. Vinhos biológicos do Alentejo. Na importadora doc de SP #simplesmentevinho

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

Foi a hora em que o rock bombou e todos festejavam enquanto as lindas filhas do João Tavares de Pina, a Maria a Rita e a Inês,que não sei estão nessa ordem na foto… assistiam a tudo de camarote.

 

#simplesmentevinho Vinhos Sinceros.

Uma publicação compartilhada por didu_russo (@didu_russo) em

 

É isso, o Simplesmente mal acabou e eu estou morrendo de saudades. Mas em 2018 tem mais. Saúde!!

Simplesmente Vinho 2017

 

Estou radiante, meu coração transborda de alegria, dia 19 embarco para o Porto para mais um Simplesmente Vinho, o evento mais informal de Vinho, Arte e Música que conheço. Gente bacana, vinhos sinceros, e às margens do Douro, Simplesmente… Vou rever meus amigos e degustar seus vinhos sinceros.

Estou vivendo estes dias com esta música ao fundo, curtam:

 

Aqui a letra, pois tenho certeza que você não entendeu nem metade… aliás ouça enquanto lê:

Oiça lá ó senhor vinho,
vai responder-me, mas com franqueza:
porque é que tira toda a firmeza
a quem encontra no seu caminho?

Lá por beber um copinho a mais
até pessoas pacatas
amigo vinho, em desalinho
vossa mercê faz andar de gatas!

É mau procedimento
e há intenção naquilo que faz
Entra-se em desequilíbrio
não há equilíbrio que seja capaz

As leis da Física falham
e a vertical de qualquer lugar
oscila sem se deter
e deixa de ser perpendicular

“Eu já fui”, responde o vinho
“A folha solta a bailar ao vento
fui raio de sol no firmamento
que trouxe a uva, doce carinho

Ainda guardo o calor do sol
e assim eu até dou vida
aumento o valor seja de quem for
na boa conta, peso e medida

E só faço mal a quem
me julga ninguém
e faz pouco de mim
Quem me trata como água
é ofensa, pago-a!
Eu cá sou assim.”

Vossa mercê tem razão
e é ingratidão
falar mal do vinho
E a provar o que digo
vamos, meu amigo
a mais um copinho!

 

Se vale uma dica, leiam a lista dos produtores e quando puderem experimente o que eles fazem, é de babar. O evento então nem se fale, depois vou contar tudo. Aliás, aqui tem uma amostra, Leia. Mas há muito mais, basta ” googlar “ didu russo simplesmente vinho que tem muitos posts legais de 2016 e 2015.

Este ano estou levando algumas garrafas de Naturebas brasucas para mostrar para a imprnsa internacional que visita o evento. Viva o João Roseira!!!! e me dá mais um copinho!!…

Simplesmente Vinho 2016 – Post 16

Chego ao final de meus posts sobre o Simplesmente Vinho 2016. Incrível a quantidade de informações que recolhi nessa viagem e de gente tão legal, aberta, sincera, amiga.

Bem, acordei na manhã seguinte depois de um sono de privilegiado com aquele Porto LBV 1996 do Infantado do post anterior e ainda rindo das histórias do trio João Roseira, Charlie e Carlão e estava sendo esperado pelo João Roseira que me levaria conhecer a Quinta do Infantado que este ano comemora 200 anos!! Era fechar a viagem com chave de ouro!

 

 

O João Roseira é um grande anfitrião, culto, conhecedor de arte e da história, me levou conhecer Amarante, cidade histórica que estava em nosso caminho e onde seu pai costumava parar na viagem para as crianças comerem algo…

 

 

O lindo monumento acima, não me lembro do nome da autora, uma artista plástica famosa, sorry, o João até fotografou para ele também, conforme comprova nossas sombras… Tomamos um cafezinho e seguimos.

 

 

Chegamos no maravilhoso local da Quinta do Infantado. Eu nunca havia me dado conta, mas o nome Quinta do Infantado vem de Infante, o nosso D.Pedro I que lá era o Pedro IV. Minha ignorância é uma grande alegria, pois vou sempre me surpreendendo com coisas que já deveria saber de há muito… hahahaha, como dizia meu professor João Theodoro D’Olim:  “A admiração é a irmã gêmea da ignorância”… Vejam o próprio João Roseira falando de sua Quinta do infantado e dos 200 anos e tudo o mais…

 

 

Tivemos uma prova e um almoço na varanda ensolarada da Quinta do Infantado que naquele frio caiu como uma luva…

 

 

Como disse no vídeo, sempre insisto com o Orlando Rodrigues da Prem1um Wines são vinhos muito frescos e sinceros que me enchem de alegria ao beber. Na ocasião conheci o sobrinho do João e também a enóloga Fátima Ribas gravei com eles também. Peço desculpas pela luz que estourou a imagem, mas mostra a intensidade de luz nessa região. veja:

 

Meu vinho predileto deles é este biológico que eu comento no vídeo:

 

Tomaria um garrafão dele… mas as surpresas não acabariam por aí, imaginem que de sobremesa experimentei uma delícia que também não conhecia, trata-se da sopa dos pobres… Laranjas descascadas e cortadas em pedaços num copo e com vinho do Porto! Fica espetacular e vou adotar, embora o nome terá que ser adaptado, pois pobre aqui não tem nem laranja e muito menos Porto…

 

A conversa corria junto com o sol que caía e frio que voltava, mas tínhamos Tawny Infantado ora… e na conversa sobre harmonizações, eu comento que a melhor harmonização de Porto para mim é com um bom charuto… e o simpático Alvaro me pergunta: Gostaria de um charuto? Puxa vida!, respondi,  você também fuma? E ele me diz que não mas que um cliente austríaco havia esquecido um charuto lá e me vem com um D 4, um de meus prediletos!!! Vejam as ironias de Deus para o Didú que não escreve de parafusos mas de vinhos…

 

 

E assim a tarde caía e assim Deus me dava mais um daqueles dias especiais e privilegiados,  para esfregar em minha cara a qualquer reclamação que venha a fazer dele…

Quero agradecer o convite ao Simplesmente Vinho, ao João Roseira, essa pessoa especial generosa e Amiga, aos diversos Vignerons que reencontrei e os que conheci, as visitas que fiz, os lugares que conheci, os vinhos que provei, as comidas que me deliciei, ao conforto que recebi, em fim Grazie Amigos!!! Sucesso!!

Simplesmente Vinho 2016 – Post 15

O simplesmente Vinho havia acabado naquela madrugada linda com o grupo caminhando pela maravilhosa cidade do Porto que está viva, repleta de jovens, de vida noturna, de charm.

Mas eu ainda tinha programação, pois o João Roseira e o Vasco programaram uma visita a dos jornalistas estrangeiros ao Aphros!… Não deixe de visitar seu site.

 

A vista era um pouco corrida em função da volta de cada um dos jornalistas, pois o único sortudo que ficaria ainda mais um dia no Porto era o chatododidu… hahahahaa

Fizemos um recorrido ao espaço maravilhoso do Vasco e eu fui gravando umas coisas, veja…

 

 

Era hora de comer algo e fomos para a sala de jantar onde adoraria estar num inverno rigoroso, com a lareira acesa e um bom charuto e a conversa sincera e divertida do Vasco. Nos damos muito bem. Então veio a primeira surpresa:

Um Aphros dos tempos que era Afros… e um branco, de 2007 que estava de matar. Não me lembro a casta, acho que loureiro, não importa, se cheirar embriagasse eu teria ficado a tarde toda curtido a variedade de aromas evoluídos, as flores murchas, o marzipan… show. Fotografei o verso por causa de um poema…

 

Mas não era tudo não, ainda teríamos o Espumante agora da Aphros…

 

Um espetáculo de frescor e densidade, com pérlage delicado e ótima cremosidade. Adorei. Mas então chega mais uma surpresa, a comida maravihosa que vinha das mãos do André Antunes, do Delicatum. Aliás fiquei lisonjeado quando ele me disse que recebeu diversos turistas brasileiros que lá foram e citaram a matéria que fiz do Simplesmente Vinho 2015, pois tivemos lá um dos encontros, veja aqui.

 

 

E como comida chama vinho e vice-versa, e a generosidade do Vasco é grande, lea foi ele em sua adega buscar uma outra garrafa Afros… desta vez um inacreditável Vinhão 2005!

 

Que oportunidade rara, um vinhão com 11 anos! Vinhão nunca me pareceu vinho para guarda, por seu frescor, que é marca registrada do tipo de vinho, o verde tinto. Mas este que provei tinha o frescor mas com evolução no nariz e boca. Não tinha mais aquele rascante dos vinhões jovens, era mais delicado, mas a estrutura estava toda lá, com classe. Adorei a experiência. Grazie Vasco!

Enquanto cada um arrumava suas coisas e distribuía-se os jornalistas em cada carro, tive tempo de me sentar naquela paz da varanda da casa do Vasco e gravar com ele e seu momento. Veja:

 

 

Eu ainda seguiria com o Vasco de carona até o Porto, onde não fazia a menor idéia do que me esperava.

 

Não se leva qualquer um a sua casa, todos sabemos disso e eu fui merecedor desse carinho pelo João Roseira. Não precisava, afinal estava super bem instalado no Hotel  Vincci  (veja o site, o hotel está num antigo entreposto de peixes, sensacional), e poderia muito bem ficar por lá sem dar trabalho a ninguém.

Mas o João foi preparar um Bacalhau a Bras e aprendi que esta receita tem variáveis a gosto de quem faz, porém imprescindível ter sempre o bacalhau desfiado e as batatas palha. O dele estava espetacular e tive o privilégio do convívio da esposa e da sogra, me perdoem não lembrar dos nomes meu Deus… e dos dois amigos inseparáveis do João Roseira, o Charlie, Carlos Fernando da Silva Costa, um cara sensacional de uma cultura incrível e doidão como eu, imagine que ele acorda de madrugada para assistir a um desenho japonês chamado Sargento Keroro!!… hahahaha sensacional. O que você fala ele sabe e acrescenta. Uma pena não ter filmado nada com ele. Peço desculpas por isso Charlie amigo.

A outra pessoa é o Carlão, o artista plástico Karl Own, piis os tres são amigos de décadas e tiveram um conjunto musical!…

Gravei com o Carlão, vejam…

 

 

Bem, após  muito bacalhau, muitos vinhos do Simplesmente, o João resolve abrir uma Magnum de um LBV 1996!!!! Como pode o destino ter reservado essa garrafa lá no Porto para que fosse aberta e desse sua vida para um momento comigo! Só alguém de muita sorte pode ter esse privilégio. E a conversa entrou pela noite e da garrafa acho que sobraram uns tres cálices… Que saudade.

 

 

Ainda tem o dia seguinte, mas fica para outro post… Que bom que escrevo de vinhos e não de parafusos… Saúde!

Simplesmente Vinho – Post 14

Saímos do delicioso almoço no Ode Porto Wine House e voltamos caminhando na agradável e fantástica cidade do Porto até o Convento de Monchique. A chuva deu trégua na hora exata e pude curtir a caminhada.

 

 

Chegando lá o Simplesmente já estava bombando! Ufa, precisava correr e gravar ao menos alguns amigos, fui em busca de um espumante para organizar o roteiro da tarde e minha intuição me levou direto para o início do meu roteiro, Luis Pato…

 

Chego lá e encontro a Maria João (filha do Luis Pato), grávida da Madalena que está para chegar! Que alegria! O Luis Pato, que tem um nível de educação bem superior ao nosso, havia me escrito avisando que sabia que eu estaria no Simplesmente mas que ele infelizmente estaria na Alemanha em evento da Bairrada, e me disse que sua filha estaria lá, mas não sabia da gravidez.

Eu chego lá e encontro o delicioso Informal… era tudo o que eu queria… Me recompus e continuei gravando alguns dos amigos que estavam por alí…

 

 

Confesso que estava um pouco ansioso, pois sabia que não gravaria com todos os expositores, sabia que não provaria todos os vinhos e isso me deixa um pouco decepcionado. A mesma decepção de quem sabe que não viverá para degustar nem 5% dos vinhos que existem…

Mas deu para gravar muita gente boa e provar vinhos extraordinários deles como os que você podem ver abaixo:

 

Sempre fico na esperança que o Dirk Niepoort prestigie o Simplesmente, mas ele não estava novamente, mas estava o Paulo Silva, que sabe tudo dos projetos do Dirk. Este acima, ele explica no vídeo, eu adorei por seus aromas estranhos que depois desaparecem, não é para qualquer um, quem procura defeito descarta e perde…

Com a Quinta de Baixo, o Dirk faz incursões a outras terras, prioritariamente a Bairrada, onde produz maravilhas, caso do Poeirinha (antigo nome da casta baga na região), com álcool de 11,5%. Seus vinhos chegam pelas mãos do Ciro Lilla na Vinci Vinhos e outros na Mistral.

Antes de sair provei o Bioma Vinha Velha Vintage 2013 no sistema antigo, em pipas pequenas (3 anos) antes de engarrafar, totalmente biológico. Super Show.

 

 

Bem à sua frente havia a mesa dos vinhos Bago de Touriga, um projeto conjunto do Luis Seabra e do João Roseira. Eles fizeram um laranja de vinhas velhas, diversas castas, de se beber de joelhos… Um dos melhores desta edição do Simplesmente, “secondo me”…

 

 

Eu gravei com o Luis, veja:

 

 

Mario Sergio Alves Nunes é uma pessoa especial. ele é o proprietário do tradicional Quinta das Bágeiras, que há 27 anos nunca usou leveduras selecionadas. Que tal? A pronúncia que sempre me chamou a atenção é Bageiras, sem o acento agúdo. Eu pronunciava sempre Bágeiras, com o a aberto. Então perguntei ao Mario Sergio qual a pronuncia.

Descubro então que se fala sem o acento, isso para nós brasileiros, pois os portuguêses pronunciavam Bâgeiras pelo sotaque e isso incomodava o Mario Sergio que colocou o acento para se pronunciar com o a aberto… Demos risada quando lhe contei que meu apelido Didú também, não deveria ter o agudo no u, porém as pessoas insistem em pronunciar Dídu, com acento no i… Então passei a acentuar o ú com o agúdo, mesmo sendo errado.

Gravei com o simpático Mario Sergio, que tem seus vinhos no Brasil importados pela Premium Wines,  veja:

 

 

Ao lado do Mario Sergio estava meu Amigo Antonio Lopes Ribeiro, que você já deve conhecer por que sempre falo de seus biodinâmicos do Dão. Eu adoro o radicalismo convicto do Antonio Lopes e sua calma em defender o Dão e as tradições do Dão. Seus vinhos chegam pela Vinhos do Mundo.

 

 

Não encontrei na Pellada, o Alvaro de Castro e nem a Maria Castro, sua filha, mas o  simpático enólogo Luis Lopes, que como eu adora vinhos brancos com idade, estava lá e me apresentou as novidades da Pellada, veja:

 

 

Estava degustando o Csar 2001 que tinha 21 graus naturais de álcool!, quando fui chamado por uma moça, para degustar um vinho que não conhecia. Eram os vinhos Quinta da Vacariça do François Chasans.

 

 

O François é um francês casado com uma portuguesa (Maria do Ceu) e que se apaixonou pela Bairrada e produz lá elegantes vinhos biodinâmicos.  Ele sustenta que o potencial da elegância da Bairrada tem paralelos com a Bourgogne. Quando for a Portugal, não deixe de provar seus vinhos. Gravei com ele, veja:

 

 

Quando me dou conta da hora, o simplesmente já estava quase para acabar e encontro o grande cicerone João Tavares de Pina, dos maravilhosos vinhos Terras de Tavares e do Rufia, que agora tem também um branco.

 

 

Era um clima de muita alegria e festa dos vignerons e dos visitantes e a banda ds TT Syndicates começa a mandar bala… e ia tocar ainda um bom tempo. Não dava mais para gravar nada.

 

 

Encontro então o pai do João Menéres, o João Pedro, homem da minha idade, alto, elegante e simpático, com porte nobre, comento com ele: João Pedro, agora era hora de  uma lareira e um bom chá… e ele me responde: Ótima idéia, é o que farei já. E se despediu… hahahahahaaaa.

Eu estava faminto e sabia que nosso jantar de encerramento ainda demoraria, pois tinha a banda, tinha a reunião do grupo, tinha o ônibus, etc., e tal… mas aí eu encontro o José Ruivo da Casa de Darei, que comia um sanduiche de carne de porco que estava maravilhoso, devo ter feito uma cara de faminto, pois ele logo me ofereceu um… claro que aceitei, ele então tira de uma sacola, um deles, quentinho, tenro, perfumado, o pão crocante, um espetáculo que acompanhou perfeitamente uma taça de seu vinho enquanto curtíamos a alegria dos mais jovens que nós…

Ficamos lá curtindo a festa até o momento de arregimentar a todos e irmos para a Casa Ribeiro, endereço tradicional dos jantares de encerramento do simplesmente, onde não faltam os discursos, a alegria e sempre vinhos que não provei no Simplesmente…

Caso destes abaixo…

 

Na nossa mesa estavam o Jamie Goode, o João Tavares de Pina e sua filha, o Vasco Croft, o Gabriel Ameztoy, e o Tiago Sampaio. Me dou conta de que não tinha gravado nada com o Jamie Goode que é um grande apreciador e divulgador dos vinhos portugueses de vignerons. Mas… eram meus últimos 26 segundos restantes na The FLIP. Mesmo assim posto aqui para vocês:

 

 

Depois de muitas gargalhadas e brindes, saimos de lá à pé numa noite fria e limpa, descendo o Porto até a Ribeira, uma caminhada de meia hora, conversando com os amigos e a grata surpresa de um cigarro especial, dos bons, que ganhei de um produtor que preservarei o nome, mas que encheu meu coração de alegria e deu sabor especial na conversa e na caminhada. Grazie!!

Simplesmente Vinho 2016 Post 1

 

Acabo de voltar de mais um Simplesmente Vinho. Como sempre foi corrido, como sempre delicioso, como sempre surpreendente, como sempre extraordinário, como sempre fui recebido com honras acima de meu merecimento e somo sempre com Vinhos MARAVILHOSOS!… Simplesmente…

 

 

Este ano o evento cresceu e mudou de endereço, foi para um prédio dos Menéres, no Convento de Monchique na Ribeira do Douro. Foram 61 participantes incluindo vários espanhóis naturebas que fizeram grande sucesso também.

Vejam o depoimento do João Roseira, o responsável por esse sucesso descontraído, sincero e de qualidade, que gravei para vocês servindo como aperitivo dos próximos posts…

 

 

Agora é aquela maratona de quem feliz, escreve sobre vinhos, Tenho que rever as 2hs. e 30 min., de vídeos depoimentos que gravei, editá-los, subir no meu canal de Youtube que já conta com mais de cinco mil vídeos e cerca de 360 mil views, escrever e postar. Mas eu adoro fazer, meu único problema se chama agenda.

 

Adoraria ficar uma semana mais no Porto para fazer isso, mas nem tudo é perfeito. Minha memória ainda tem o som do sotaque português que para mim é fixe (fala-se fiche e significa legal)… e dizem que falamos a mesma língua né?…

Aproveito também para publicar um momento de alegria no último dia desse Simplesmente, com uma banda excepcional que me fez dançar como um garoto… os TT Syndicates.  Curta e tente se programar para estar lá ano que vem, um super programa com Naturebas de Portugal, Simplesmente…

 

Simplesmente Vinho 2015 Parte 4

 

Nosso segundo dia de Simplesmente Vinho começava às 11hs. da manhã, com gravações para o evento. Havia dois jornalistas de fora, aleem de mim, Sarah Ahmed do site The Wine Detetive  e Bruno Quenioux   e nós estamvamos convocados para essas gravações que aconteceram no mesmo local do evento e também no escritório do pessoal da Skrei  Eu aproveitei e gravei algo deles, veja:

 

 

Na sequência tivemos um almoço no DOP, do badalado chef  Rui Paula que inclusive tem restaurante no Brasil em  Recife. Fizemos algumas gravações juntos para os vídeos do evento. Ele é uma simpatia e dono de grande talento.

 

 

Nesse almoço pude conversar com diversos produtores que se revezavam a meu lado, com seus vinhos, um grande privilégio. Caso do divertido Miguel Louro da Quinta do Mouro, Tony Smith da Covela, Vasco Croft da Aphros, Cristelle e Casimir da Fonte do Gonçalvinho, João Menéres da  Quinta do Romeu e uma pessoa especial, o João Roseira da Quinta do Infantado.

Digo que João é especial, pois tem um senso de responsabilidade e controle de tudo o que se passa no evento, que raramente vi em alguém, depois ele é super bem humorado,  costuma fingir que foi a pique e do nada, altas da madrugada, cai da cadeira como se tivesse desmaiado… todos correm e era uma brincadeira… esse é o João Roseira, que ao mesmo tempo sabe de tudo, saca tudo e todos e faz sua parte. Uma pessoa especial. Ele me contou do estilo de seu vinho, veja:

 

 

Como o João Roseira parece maluco mas não é, os horários estavam sempre sob seu controle e nossa conversa foi interrompida para voltarmos ao “trabalho” pois logo começaria o Simplesmente. Preferi descer  à pé com muita calma e saboreando um charuto e ir ao encontro da Nazira que estava no “seu” ritmo lá no nosso simpático aposento.

Foi interessante e gratificante conhecer pessoalmente o fotógrafo Ricardo Bernardo, meu amigo de facebook que é uma simpatia e ótimo papo. Eu fico tão feliz quando encontro alguém do mundo virtual do vinho e posso ter um contato verdadeiro. Parece que por um momento comandamos a tecnologia…

 

Então eis que acontece o momento mais “nonsense” de toda essa viagem. O Mateus vinha com uma garrafa na mão e eu quis gravar algo com ele, sobre seus vinhos Muxagat, que eu adoro aliás, aproveito o momento e ele me conta sobre aquela garrafa, veja o vídeo primeiro que eu continuo a história abaixo…

 

 

Pois como num cena de filme, surge da rampa que vinha do rio Douro,  o Anton Mann!…  e o Mateus me pergunta se eu entendo bem o inglês. Respondo que entendo bem tanto o francês como o inglês, se falado lentamente.

Importante dizer que à esta altura estávamos já todos um pouco felizes, digamos assim, tanto que por diversas vezes trouxe a conversa para longe da beira do cais, pois não havia ali um parapeito e me preocupava que alguém caísse no Douro…

Bem, o Mateus vira-se para o Anton Mann que é bem doidão e diz em inglês a ele para falar devagar para que eu entendesse. E o Anton começa então a se apresentar e a falar do projeto em… francês!!  O Mateus que é culto e fluente em francês e inglês, não percebeu, eu me esforçava a conversar com um cara de Bristol, que falava muito mal francês… foi uma cena de comédia, mas nos entendemos e foi divertidíssimo.

O rótulo do vinho trará a frase: Feito pelos Rebeldes, Transportado por Piratas, Bebido por Heróis… Esse Mateus é genial. O Anton em lugar de me dar um cartão, me deu uma nota 1 Bristol Pound, um dinheiro legal que só circula lá e contribui para a ecologia, segundo o meu pouco entendimento de francês mal falado com sotaque de Bristol…

 

Naquela multidão consegui ir encontrando um caminho até o Vasco Croft pois ele havia me falado durante o almoço que estava trabalhando num vinho em ânfora e que tinha lá uma amostra, fui ao encontro dele e gravei com ele também…

 

Foi gratificante também entre os vinhos que lá estavam encontrar uma moça, a Luisa Sarmento apresentando o seu primeiro vinho, o Palmeirim d’Inglaterra. A foto ficou péssima, mas vou usar a do site da Sarah, acho que ela não se importará…

Me surpreendi também ao encontrar o Luis Seabra com seu projeto solo,  que é delicioso e que o Ciro Lilla vai trazer para cá.

Também os vinhos deliciosos e naturais, os irreverentes vinhos do Vale dos Pios, de ótimo preço ex-cellar. Contatos com o joaquim@pios.pt

E provar essa maravilha de vinho regional Lisboa da Marta Soares e Antonio Vital?… Meu Deus. Casal Figueira.

A festa rolou até tarde da noite e o nosso jantar de comemoração invadiu o dia seguinte no andar de cima da Casa Ribeiro, onde não faltaram discursos e brindes de todos. Uma grande festa.

 

Estes dois Amigos visionários me deram a incumbência de levar para 2016 quatro produtores brasileiros de vinhos naturais, pois dentro do conceito do evento, há a ligação natural de Brasil e Portugal, como constatamos em diversas conversas.

Eles não fazem a menor idéia de que o Brasil tem vinhos da qualidade que temos.  Domínio Vicari, do Era dos Ventos, do Tormentas, da Arte da Vinha, da Vinha Unna, do Serena, do De Lucca seriam uma grande e grata surpresa para o simplesmente Vinho.  Vinhos naturais e puros, que também estão preocupados com a preservação da nossa cultura, o resgate de castas, a luta pela sobrevivência.

Eu adoraria que esses produtores estivessem mais perto, pois os problemas são idênticos, a busca por um vinho sincero, um vinho de terroir, o vinho do vigneron, o vinho que respeita a natureza e preserva a cultura, o vinho que não tem apoio governamental (infelizmente) e que não pode competir com os grandes produtores. Conversando com eles percebi como seus problemas são exatamente iguais aos nossos.

O Simplesmente Vinho 2015 como evento acabava naquela noite, mas ainda teríamos um almoço no dia seguinte com palestra do Bruno Quenioux e algumas surpresas mais e eu ainda tinha caminho pela frente, momentos inimagináveis de ternura, sinceridade, consciência de família e muito carinho, que contarei nos próximos capítulos. Saúde!!

Simplesmente Vinho 2015 Parte 3

Chegamos ao Porto na carona dos Ruivo e fomos direto para nosso apartamento oferecido pelo evento. Era fantasticamente acolhedor. Um apartamento restaurado num daqueles predinhos do Porto, à beira do Douro. Sensacional, moraria ali por um tempo se pudesse. Aquela nostalgia do Porto que hoje está revigorada por muita juventude dinâmica e uma cozinha maravilhosa e aqueles monumentos a céu aberto.

 

Íamos à pé de nosso apartamento para o Simplesmente Vinho que ficava exatamente em baixo de nós. O prédio pertence a Skrei (significa bacalhau em norueguês) não deixe de ver o site deles, foram um dos apoiadores do Simplesmente Vinho e seu trabalho é simplesmente maravilhoso.

 

Enquanto Nazira se instalava e se acomodava no acolhedor apartamento, fui ver como estava a montagem do Simplesmente. Consegui gravar uma parte desse movimento e depois o evento bombando mais tarde, ficou um interessante vídeo, que dá bem a dimensão do sucesso e o clima do simplesmente.

 

 

Por incrível que pareça eu não consegui em dois dias de evento, estar com os 33 expositores, simplesmente por que é impossível se locomover e conversar com todos. Habituado a degustar e a conversar, acabei por estar com alguns deles em almoços e jantares que fizemos, pois o simplesmente é uma grande festa, uma comemoração da vida, do vinho natural e das pessoas sem frescuras…

Antes do escurecer tínhamos gravações a fazer para a TV Portuguesa e para a produtora que cobria o evento. Peguei um bom momento da entrevista do Mateus Nicolau de Almeida que explicava a proposta, veja:

 

 

Na sequência o Mateus me conta de uma videira de mais de setenta anos, que não é vitis-vinífera, mas americana (eles chamam americano) que ninguém sabe quem plantou lá, mas é uma parreira linda e que todo ano é colhida por um grupo que pescadores que tem lá a sede da Associação da Copofonia do Norte e Sul de Portugal, que são os Cheios de Sede… eles produzem 30 garrafões dessa parreira. O vinho é igualzinho ao nosso garrafão.

 

Eu achei sensacional a iniciativa deles e de haver nesse lugar essa parreira que participa da festa. Não podia ser mais adequado e mais cultural que isso…

Eu virei membro da Associação e ganhei do sr. Antonino, na foto com o Mateus, minha carteirinha onde consta diversas citações pelo vinho. Adorei a Oração da Manhã que assim diz:

 

Com Deus me levanto

E com Deus me sinto.

De manhã é Branco

E de tarde é Tinto…

O dia prometia e fui aproveitando o início para conhecer alguns vinhos que destaco aqui deste primeiro dia/noite de Simplesmente.

 

Os deliciosos vinhos de Tiago Sampaio, da Folias de Baco, que o Luiz Horta já havia destacado em seu trabalho do ano passado em Portugal. Provei todos e adorei, incrível este rapaz não ter um importador no Brasil.

Como comecei pela parte de fora, fui degustando tudo com calma e encontro alguns vinhos do Dirk Nieeport, fora do Douro. eu simplesmente adoro o trabalho do Dirk, considero realmente um destaque em Portugal.

 

A variedade não é pequena, há experimentos no Dão e na Bairrada. Destaco dois extremos do Dão, com este da esquerda, que pode chegar abaixo dos 50 Paus no Brasil (bem… podia, hoje não sei com nossa economia), mas é vinho divertido, fácil, fresco, alegre para o dia-a-dia. Adorei.

 

Também do Dão, estava sem o rótulo, uma parcela de vinhas velhas que o Dirk comprou por dica do Antonio Madeira, falo dele logo mais abaixo, que lhe falou da vinha e o Dirk logo comprou. O vinho é de tomar ajoelhado, abaixo a garrafa com a etiqueta apenas, anote pois o Ciro vai trazer e vale cada gota.

 

Também a Bairrada nas mãos do Dirk dão o que falar. Este seu baga é de um frescor e uma levesa, com 12,5 de álcool, que adoraria te-lo em Bag-in-Box na minha geladeira…

 

Bem ao lado, estava a mesa da Quinta do Infantado. Sobre o Infantado falarei no post de amanhã pois tenho uma entrevista com o João Roseira, que não sei como consegue fazer tanta coisa ao mesmo tempo e sempre estar dez minutos antes do agendamento em todas as atividades!!! Inacreditável.

Conheço e gosto muito dos Portos dele que chegam ao Brasil pelo Orlando e o Rodrigo da Premium Wines. Porém não sabia que eles tinham vinhos tranquilos. E que vinho!!!!! Espero que a Premium passe a traze-los para nós.

 

Logo encontro o Antonio Madeira, um jovem que faz um vinho surpreendente, um bouquet de violetas engarrafado com toques herbáceos, um vinho suntuoso, elegante que acredito vai em dez anos ser um dos grandes vinhos de Porugal, se esse rapaz continuar com a convicção que está fazendo seu trabalho. anotem esse nome. Se algum importador procura algo especial tem aqui uma boa oportunidade. Gravei com ele, veja:

 

Como é gratificante encontrar gente jovem como o Antonio, o Tiago e outros, a fazer coisas puras, bem feitas, maravilhosas e convictos de estarem resgatando sua cultura. Me emociona isso e me dá grande tranqüilidade pelo futuro longe da mesmice.

O trabalho do João Roseira e do Mateus Nicolau de Almeida não parava com entrevistas para televisões…

A noite avançou e aí complicou o rolê como diriam meus filhos, entupiu de gente e aí foi o que dava, a curtição era mais legal que a avaliação. Parei de cuspir e curti a noite perto da mesa do Antonio da Casa de Mouraz que estaria incumbido de nos ciceronear dois dias depois.

A minha sorte é que ele tem pais em idade avançada e tiveram paciência com a Nazira, a única pessoa do Simplesmente Vinho que teve direito a uma cadeira e bem ao lado da mesa da Casa de Mouraz… veja:

 

Fui para dentro tentar falar com alguém, encontro a Maria João Pato, com a simpatia marca registrada de família, ela é outra filha do nosso Amigo Luis Pato que estava no encontro dos Baga Friends…  sempre trabalhando pela Baga e pela Bairrada. Há quem ache fácil viver do vinho, mas como digo sempre, vender vinho não é fácil. Poucos mercados são tão disputados como este. Se o produtor não consegue agregar valor à sua marca, a coisa fica muito dura. São mais de 2 milhões de rótulos a concorrer com você!…

 

O sábio e saudoso publicitário Rubens Carvalho me falava sempre quando tinha meu bar de vinhos… “… Didú, você gosta vinho? Beba vinho, não venda vinho…”  hahahahaaaa.

Nazira, entre uma taça e outra de Encruzado da Quinta de Mouraz, que ela encontrou “mirra”  e se fascinou, fez amizade com duas moças muito simpáticas, a brasileira Rita Branco, que se casou com um português e vive no Porto e edita o site O Porto Encanta e a  Sara Dias da Moments que organiza todo tipo de passeios pelo Douro e Porto, vale ficar com o contato.

 

A noite avançava com um frio delicioso e o rebuliço da vida noturna que o Porto está vivendo que é sensacional. Repleto de turistas, jovens, gente alegre que como dizia meu pai: ” Têm a beleza da juventude…”

Amanhã prometo contar do dia seguinte. Bacio.

Simplesmente Vinho 2015 Parte 1

 

Cheguei ao Brasil depois de cinco dias em Portugal no Simplesmente Vinho 2015 e de 9 dias em Paris. Aconteceu que Nazira e eu havíamos ganho dos filhos uma viagem a Paris, afinal em 2014 completamos 40 anos juntos e eles resolveram fazer uma “vaquinha” e nos dar esse presente. Show.

Acontece que vinte dias antes de nossa partida, com os planos quase que fechados, recebo um simpático e irrecusável convite do Mateus Nicolau de Almeida (Muxagat) e do João Roseira (Quinta do Infantado), para que fosse conhecer e acompanhar o Simplesmente Vinho 2015 que eles organizam e que está em seu terceiro ano. A viagem era exatamente na semana anterior à nossa partida.

Sem a cerimônia que costumo ter nesses casos, confesso, expliquei a minha situação e consultei o João Roseira (que é a pessoa que com seus dois filhos, carrega toda a organização do evento nas costas), da possibilidade de trocar a minha passagem de ida e volta, para duas passagens de ida, assim incluiria a Nazira nesse programa. Ele fez das tripas coração, como se dizia antigamente e conseguiu ter em lugar de um velho, um velho e uma velha também…  hahahaaaaa. “il vecchietto dove lo metto

Assim, o que seria uma viagem a Paris se transformou numa viagem a Portugal e depois Paris. Agradeço de coração o empenho do João Roseira e dos envolvidos que possibilitaram isso.

O vinho para mim é emoção, por essa razão não dou notas e não divulgo notas. Resolvi então reproduzir diversos momentos que tive nessa viagem, acompanhando o calendário que tive e esse calendário começa com João Tavares de Pina que nos recebeu como um nobre.

Eu deveria chegar no Porto às 8 horas da manhã e seria recebido lá pelo João Tavares de Pina da Quinta da Boa Vista, que produz o admirável Terras de Tavares e o surpreendente Rufia. Acontece que o voo era São Paulo/Lisboa/Porto e no Brasil o voo para Lisboa atrasou e perdemos a conexão. Meu telefone que é TIM não fez o rooming (ninguém sabe dizer por que) e preocupado em avisá-lo do nosso atraso, consegui passar um e-mail para o grupo todo do Simplesmente e alguém avisou ao João.

 

Chegamos lá no Porto às 11hs., e o simpático e educado João Tavares lá estava a nos esperar. Partimos para sua Quinta da Boa Vista e fomos instalados num acolhedor apartamento que fora um lagar no passado. Um primor que serve para o agri-turismo, numa casa paradisíaca que você poderá ver no vídeo abaixo.

 

A amabilidade dos portugueses é algo a ser aprendido pelo mundo todo. Enquanto Nazira se instalava fui andar pelos vinhedos com o João, que me contava da importância histórica do local, com muros da idade média, com marcos romanos e uma vista espetacular em seu novo vinhedo, que espero voltar para ver quando estiver pronto e beber um Terras de Tavares ou um Rufia lá na parte de cima, numa tarde gostosa em sua companhia.

Por enquanto degustamos diversas garrafas do João numa aconchegante noite gelada do Dão, mas no conforto da Quinta da Boa Vista…

O rótulo irreverente é de autoria de Margerita Bornstein (abertura da novela Rebu), você encontra os vinhos do João Tavares de Pina no Rio de Janeiro com Luis Jorge Ribeiro na Importadora Malub.

No folheto do Simplesmente Vinho o João escreveu o seguinte:

“ O Rufia, rebelde e reguila, afronta os sentidos com um perfil diferente. A sua intenção é provocar os apreciadores das notas adocicadas, das compotas, da banal fruta madura, das papinhas, do nhãme, nhãme, da perfeição artificial imposta pela madeira nova que elimina as arestas, com que ele tanto gosta de surpreender. O Rufia valoriza as notas vegetais, como sinal de identidade de uma Região que sempre produziu vinhos frescos, elegantes e com grande capacidade de envelhecimento.”

Está aí tudo que eu quero de um vinho.

O João Tavares de Pina, “secondo me”, ainda não foi devidamente reconhecido pelo excepcional trabalho que está fazendo. Um exemplo disso é o extraordinariamente elegante Terras de Tavares 1993 que trouxe na mala uma garrafa de presente, que mostra toda a elegância que este produtor pode oferecer.

Espero que logo seu valor se notabilize mais pelo seus extraordinários e sinceros vinhos do que pela levedura selecionada 23 que todos conhecem. Obrigado amigo. Sucesso. Espero logo ver seu vinho no Brasil e espero ainda mais repetir esses momentos no aconchego de sua Quinta. Bacio.