Zenker Amigo, vá para o Uruguay.

 

Outro dia escrevi aqui  a respeito de uma recente entrevista do Zenker, atualizando sua situação enquanto delatores covardes e entidades (IBRAVIN e ABE), omissas levam suas vidas normalmente.

O MAPA que lhe deu 20 dias para se defender e tinha 45 para responder só veio responder agora, 7 meses depois!!!! Quanto respeito e quanta justiça.

Nessa resposta um tal sr. José Fernando Werlang, Auditor Fiscal Agropecuário Chefe do SIPOV/DDA/SFA-RS, que não sabe cumprir prazos e desrespeita quem  tem que produzir para viver  não tem cabide de empregos, determina:

 

  • Penalidade de Multa de R$ 7.000,00
  • Inutilização dos Produtos Apreendidos por meio do Termo de Apreesão
  • Interdição do Estabelecimento até adequação do Registro perante o MAPA
  • Encaminhamento de cópia do Processo ao Centro de Apoio Operacional de Defesa do Consumidor do Ministério Público 0 RS

 

Novamente foi concedido 20 dias para que o Zenker manifeste sua defesa…

Que tal Delatores, vocês se sentem orgulhosos? Gostariam de se manifestar e darem a cara para bater? Meu espaço está à disposição. E vocês do IBRAVIN e da ABE? Estão felizes com o resultado de vosso descaso e desamparo a um produtor artesanal? Dormem bem? Não incomoda a vocês isso? Querem se manifestar? Meu espaço está à disposição.

E vocês pequenos produtores do Rio Grande do Sul que também vivem irregulares por ausência de uma alternativa justa de produzir? Se sentem bem? Não lhes incomoda que isso poderia ter sido com vocês? Afinal sabemos todos que 90 % das vinícolas brasileiras são irregulares. Querem se manifestar? Meu espaço também está à disposição.

E a imprensa do Vinho? Gostaria de comentar algo? Afinal é nosso trabalho e não vi mais que meia dúzia de gatos pingados a se inquietar com essa ABSURDA INJUSTIÇA cometida contra um Produtor Artesanal por pura inveja.É muito baixo isso tudo gente!!  Querem se manifestar? Meu espaço está à disposição, muito embora gostaria que o assunto fosse trabalhado por vocês em vossas audiências para ganharmos volume e ajudarmos de fato o Zenker.

Ou vamos deixar tudo como está e foda-se? Deixem o chatododidu falando e falando que uma hora o assunto cansa e tudo passa… será? Afinal é com esse comportamento que as coisas estão como estão.

De minha parte Amigo Zenker, sinceramente e com dor no coração, lhe digo. Venda tudo que tem e mude-se para o Uruguay. Faça lá suas maravilhas, e conviva com pessoas melhores. Sinceramente o Brasil não merece seu talento.

Os nºs do Adão Morellatto

Outro dia publiquei um artigo sobre o enorme crescimento da importação do Vinho no Brasil em 2017 em comparação a 2016 com uma informação de 54% em Volume!!! A informação era da International Consulting de Adão Morellatto que costumeiramente faz esse levantamento e refería-se ao período de jan a nov de 2017 x 2016. Acontece que havia uma enorme distorção nos nºs da França que posteriormente foram corrigidos. Ainda assim, os números surpreendem:

 

Nessa matéria Veja AQUI, ouvi o próprio Adão e outras importantes fontes do nosso setor, vale rever. Depois o Carlos Cabral que estava em férias, e a quem também fiz os questionamentos, me enviou suas impressões:

“Amigo Didu,
Feliz 2018!!
Regressei hoje do México onde estive em férias com a Família.
Sobre as tuas perguntas posso responder que:

Surgiram muitas empresas de Marketing Direto, agora as antigas importadoras e os novatos no ramo tem muita segurança em oferecer seus vinhos, bombardeando com mensagens constantes via todos os meios e assim não necessitam mais correr muitos riscos de vender fracionado no varejo de lojas e restaurantes e depois ainda ter de receber.

A venda direta tem a segurança de ser uma venda à vista, mesmo pagando-se com o Cartão de Crédito. Sendo assim, todos foram as compras, mesmo quem não se dedicava a importar direto.

Com a importação direta, você tem uma redução no preço de venda de 50% e a lucratividade é maior, além de ter briga de muitos venderem o mesmo vinho e lançarem uma guerra de preços.

Os Supermercados entraram nessa também, veja o caso do Pão de Açúcar e do Angeloni de Santa Catarina. Com o compromisso da compra feita pelo associado, o calote é zero, pois você entrega e já desconta do cartão de crédito do comprador.

O vinho comum vem melhorando muito e a oferta de vinhos importados por preços bem baixos é a grande sacada do momento.

Existem centenas de rótulos de vinhos espanhóis e portugueses sendo oferecidos a preços que não passam de 2 euros FOB! Chile e Argentina estão seguindo esse caminho para manterem a liderança.

Em um mercado onde poucos sabem de vinhos é muito importante ter uma empresa com alguns experts selecionando vinhos, da uma enorme segurança ao consumidor.

Esse mercado vai continuar crescendo mas ainda há espaço para uma super mega loja como a Total Wine que tem 70 lojas nos Estados Unidos que oferece 8.000 rótulos de vinhos 2.500 rótulos de destilados e 2.000 rótulos de cervejas!!! OU seja uma verdadeira Disneylândia de adultos apaixonados por vinhos!!!

Vejo 2018, se o Governo não atrapalhar como um excelente ano, igual a 2017!!!
Abraços,
cabral “

 

Agora recebo do Adão Morellatto o fechamento final 2017 x 2016 com as distorcões corrigidas. Delicie-se com os números e lembrem que o Vinho vem apresentando crescimento em cima de crescimento, porém o mercado está mudando e bastante. Vale pensar a respeito e encontrar o seu caminho. Saúde!

 

MERCADO DE VINHOS EM 2017

Caros amigos. Costumeiramente há 17 anos venho apresentando esta análise mercadológica periódica do comportamento de vinhos importados. Nesta, agregamos as 3 tipologias mais consumidas aqui: Vinhos Finos, Champagne e Espumantes. Retificando e revendo os números da fonte pesquisada, Ministério da Indústria, Comércio e Desenvolvimento, utilizando uma análise de apuração ponderada, de mês a mês, principalmente referente a França, onde havia uma distorção aritimética eminente, encontramos um valor mais “adequado” para 2017 que surpreendeu-nos com um expressivo crescimento de 31,21% em Valor e 32,35% em Volume, demostrando uma maturidade bem alicerçada….Pois nem as adversidades cambiais e tributárias balançaram este setor. Observem que mesmo com a economia recuperando-se em diversos setores, há ainda alguns segmentos que sequer atingem 1/3 desta performance. Como sou um por natureza um entusiasta e positivista, acredito fielmente que esta trajetória irá continuar em 2018, sejam pela possibilidade de negócios a curto e médio prazo, sejam por vocação individual enológica, seja por descobrirem novos nichos específicos ou mesmo para escoar a enorme produtividade mundial. Grandes grupos nacionais e estrangeiros estão se movimentando e estudando para prospectar-se neste setor. Falo com toda a segurança que o modelo atual de negócios encontra-se em uma linha delimitadora ou as Importadoras tradicionais mudam seus métodos atuais, se atualizem, se reinventem, se especifique, se alterne, se rejuvenesça ou então estarão fadados a uma vertiginosa limitação ou mesmo algumas a desaparecer. Com o advento dos eCommerce e a forte presença dos Supermercadistas, é cada vez mais forte a atuação destes playeres neste setor, além é claro do vasto surgimento de pequenas importadoras com atuação bem característica e direcionadas a uma região ou produtor, com foco somente neste campo. Não é prudente, tampouco concebível, qualquer empresa que seja atuar com um portfólio com mais de 700 produtos. É humanamente impossível administrar as vendas, clientes, estoques, equipe, produtores, finanças e logística com uma massa de produtos. Obviamente que aqui, como qualquer lugar no mundo, o grosso de consumo situa-se no patamar entre USD 10,00 á USD 30,00 aqui um pouco mais devido a altíssima carga tributária. Nosso preço médio litro de entrada aqui está na faixa de USD 3,07. Além de atribuir toda a cadeia logística e fiscal, ainda há que se agregar o financeiro dos investidores. Lembrando a todos que nossa tributação dar-se por antecipação, isto é, antes de qualquer movimentação logística, deve recolher quase que na íntegra, todos os impostos e taxas.

Como se manifestou o mercado por exportador:

1. CHILE. Caiu quase 5 pontos em valor, mas mantém sua tradicional e ponteira firme e tranquila com participação de 39,77% em valor e 42,76% em volume. Talvez tenha atingido seu ponto de equilíbrio??? Veremos mais adiante esta perspectiva. Cresceu “apenas” 18,69% em valor e 18,47% em volume. Seu preço médio de USD 2,85 é idêntico aos valores apresentados por Itália e Portugal. Está em análise um acordo comercial entre Mercosul e União Européia para 2018, o vinho faz parte da pauta de negociações. Concretizando- se, podem ter certeza que este quadro irá mudar significativamente.

2. ARGENTINA: Reverteu sua queda apresentada em 2016 e cresceu neste período 16,18% em valor e 11,60% em volume, porém um pouco inferior ainda de seu melhor ano (2011) quando vendeu quase USD 59 milhões ao mercado brasileiro. Contribui com 14,63% em valor e 13,34% em volume e com leve valoração de 4% de seus vinhos. Eles serão o principal exportador que poderá ser prejudicado pelo acordo em trânsito. Seus vinhos são em média 18% mais caros do que os exemplares da Itália e Portugal. Isto pode refletir muito no momento intuitivo da aquisição.

3. PORTUGAL: Eis aqui um que bateu pesado em 2017, cresceu 51,89% em valor e 49,23% em volume, com participação de 12,10% em valor e 13,02% em volume. Há uma infinidade de pequenos e médios produtores buscando parcerias e atuando diretamente, mesmo que seja com uma única vinícola e com no máximo uns 10 tipos de vinhos. Mas como atuam diretamente nos pontos de venda, são mais agressivos na políticas comerciais e também muito mais flexíveis as mudanças decorrentes de enúmeros fatores.

4. FRANÇA: Como já comentado acima, foi necessário estudar cirurgicamente seus números, pois apresentavam uma enorme disparidade no volume. Após esta interpretação ponderada, chegamos a um número também muito convincente, com crescimento de 44,04% em valor e 38,32% em volume, em sintonia com o segmento. O produto Champagne contribui com aproximados 1⁄4 do volume total, pela metologia aplicada de agregar os 3 tipos verificados. Seu Market share posicionou-se com 10,90% em valor e 5,60% em volume, tendo um valor médio de USD 5,97 por litro fortemente influenciado pelo Champagne com preço médio de USD 25,82 p/ litro.

5. ITÁLIA: Outro forte exportador que também mostrou sua capacidade de atuar mundo afora. Sua diversidade produtiva é sua grande vantagem e seu legado mais evidente. Claramente os 4 europeus, cresceram sobre os números do Chile. Em 2017 colaborou com 10,61% em valor e 11,26% em volume e expandindo em 52,79% em valor e 51,03% em volume, porém ainda um pouco abaixo (6,17%) de seu melhor ano aqui já exposto: USD 35.428.719,00 em valor. O vinho tipo espumante (prosecco) apresentou um acréscimo de 65,68% e representa 14,40% sobre toda a exportação.

6. ESPANHA: Foi o país que mostrou maior agressividade de crescimento, desde 2010 já cresceu aqui quase 127,91% em valor. Em um artigo antigo do mesmo período, utilizando um estudo de Robert Parker, de que já mostrava esta dinâmica, pois com sua vasta produtividade, preços atrativos e aplicando tecnologias avançadas, é o país que mais cresce em participação no mundo. Em termos de custo benefício, são imbatíveis. Mesmo tendo entre os europeus um preço mais elevado: USD 3,26 por litro. O produto cava representa em seu rol quase 22% em valor. Em 2017 cresceu 62,52% em valor e 62,87% em volume. Também cresceu sua participação para 6,89% (quase 23,92% de crescimento participativo) em valor e 6,47% em volume.

7. DEMAIS PAÍSES: Destaque positivo de 90,84% da África do Sul, 52,55% do Uruguai e 40,55% dos EUA. Austrália, Nova Zelândia e Alemanha decresceram.

Análise de minha única e inteira responsabilidade e competência, estando liberado para divulgação, comunicação e publicação, respeitando seu conteúdo na íntegra.

INTERNATIONAL CONSULTING ADÃO AUGUSTO A. MORELLATTO

Simplesmente Vinho 2018 está chegando

Tenho duas sugestões aos meus leitores e amigos do facebook.

A primeira é que se estiverem em Portugal em fevereiro, que não deixem de conhecer, provar e participar da mais sensacional feira de vinhos Sinceros de Portugal. Falo do Simplesmente… Vinho que acontece na linda e histórica cidade do Porto nos dias 23 e 24

A segunda é que  acompanhem a página do Simplesmente… no facebook pois lá você vai aos poucos abrindo seu apetite pelo que lhe espera… Hoje por exemplo eles publicaram o seguinte:

 

” Votos de um excelente 2018 para todos.

Ano novo, vida nova, começamos hoje a desvendar a nova identidade do simplesmente… Vinho! Tchim-Tchim!

É verdade, simplesmente… Estamos de volta.
sexta 23 e sábado 24 de Fevereiro, das 16h às 21h30.

Ao Porto, ao Cais Novo e ao rio Douro.
Com Vinhos, Petiscos, Arte, Música, tudo para partilhar com os Amigos.

Já viram o vídeo na nossa página?
É mesmo o que nós fomos em 2017 e vamos repetir este ano.
Contem com:
100 + 1 vignerons.
3 restaurantes + 1 jantar pop-up.
6 Artistas.
2 Bandas.
(vejam tudo no nosso evento, nos próximos dias)

Estamos simplesmente… à vossa espera!”

 

Começam as promoções de verão!

Como de costume as promoções de vinho em janeiro começam a aparecer. A Prem1um Wines e a Decanter já avsaram a imprensa, embora em seus sites não apareça ainda, mas somadas as duas importadoras, passam de cem o números de bons rótulos com descontos que beiram os 50%. aproveite, há bons rótulos nos dois. abaixo duas sugestões, uma da Premium: (11) 2574-8303  e uma da Decanter 47 3038-8875, mas há muito mais. sugiro se informar e aproveitar o momento.

Depoimento do Zenker

Meu Amigo Eduardo Zenker, um dos mais talentosos e criativos enólogos artesanais que temos no Brasil, me envia entrevista recente que deu ao portal Adesso. Leiam seu depoimento e depois pensemos juntos:

 

 

Será que os denunciantes COVARDES, que até agora não tiveram a coragem de sustentar publicamente sua denuncia estão satisfeitos?

Será que o Ibravin ficou feliz com seu total e absoluto abandono ao Zenker? E a ABE se dignou a investigar os enólogos acusados?

E o MAPA, que proíbe uma vinícola  artesanal por estar dentro da cidade… o que dizer sobre isso heim gente? Será que eles conhecem a Europa, berço da cultura do vinho? Quantos produtores de vinho estão dentro das cidades, nas ruas principais de suas cidades? Centenas! Mas aqui não pode. Um perigo isso… Bando de SALAMES!!!

Que coisa mais ridícula. E todos se calam. Uma vergonha para a classe de enólogos TODOS do Rio Grande do Sul que deveriam ter cerrado fileiras junto ao Zenker e nada… Rabo entre as pernas ou descaso natural do individualismo egoísta.

Minha decepção é profunda, inclusive com a classe jornalística do vinho que conta-se nos dedos de uma mão os que se levantaram a favor do Zenker. Uma tristeza que ainda não passou, confesso. E até agora o produtor artesanal não tem como se legalizar, pois as possibilidades são um xeque mate burocrático e jurídico que o Ibravin acha que está bom… E assim caminha a coisa no ritmo do nosso Brasil brasileiro. Triste isso. Muito triste.

Força Zenker. Saudade de seus vinhos.

O que explica o enorme salto na Importação de Vinhos?

 

Incrível o salto que o vinho importado deu em 2017. Foram 51% em volume e 30 % em valor!!! (Fonte: International Consulting de Adão Morelatto.)

(Importante observar que o vinho nacional se mantém nos mesmos patamares do ano anterior. Apenas suco de uva cresceu. Será por estarem à margem dos clubes de vinhos?)

Fiquei intrigado com esse salto, pois embora importação não quer dizer venda, número que aliás não existe oficialmente no Brasil, o fato é que o salto é anormal.

Desde que escrevo sobre vinhos, a importação de vinho nunca caiu, mesmo em anos de crise. Chegou a apresentar pífios 1%, em volume com pequena queda em preço, mas cair nunca. Porém 54% é para chamar a atenção de qualquer pessoa do setor. O que justifica tanto otimismo do mercado?

Pensando nisso e mesmo tendo minhas opiniões a respeito, fui ouvir algumas pessoas do setor que merecem meu respeito para as quais fiz as mesmas perguntas. Algumas por motivo de viagem ainda não responderam, assim que tiver publico. As questões que apresentei a eles foram:

1) A que se deve esse crescimento forte da importação do vinho em 2017 ?

2) Como vê o crescimento de Clubes de Vinho e de Supermercados na importação direta de vinhos?

3) O enorme volume de vinhos simples no mercado contribuem para o consumo do vinho no Brasil?

4) Como vê o modelo de negócio do vinho atualmente? Mudou? Qual a tendência?

5) Os clubes de vinho trarão no futuro Clientes para as boas importadoras?

6) Qual sua expectativa com 2018?

 

Adão Morelatto:

 

1) A que se deve esse crescimento forte da importação do vinho em 2017 ?

Devido a minha atividade de Assessoria relacionada a este segmento, tenho identificado e diagnosticado um crescente e contínuo movimento de empresários de inúmeros setores, adentrarem nesta categoria de produtos. Quer seja por puro interesse e prazer enológico ou também como investimento direto diferenciado. Claro que é uma atividade paralela, não é o principal foco destes investidores. Estão mesmo é verificando e observando a longo prazo uma trajetória de crescimento vertiginoso. (AMBEV) é um bom exemplo desta magnitude.

2) Como vê o crescimento de Clubes de Vinho e de Supermercados na importação direta de vinhos?

Devido a suas características e condições tributárias favoráveis e atraentes, estes 2 players foram os grandes responsáveis por esta dinâmica nestes últimos 5 anos. Supermercados com sua capacidade distributiva e volume de negócios contribuem massivamente para esta performance. Atuam diretamente com os produtores, negociando condições favoravelmente vantajosas pelo volume prospectado. Quanto aos Clube de Vinhos, abriram um novo ciclo de negócios, podendo dizer sem culpa alguma, que há um divisor de águas entre o início dos eCommerce e antes deles. Conseguem atender ao público genérico com produtos de qualidade e preços muito competitivos, e com uma diversidade surpreendente. Sem dúvida, estes 2 setores irão crescer por um bom tempo ainda, haja visto os investimentos galgados pelas principais empresas deste setor.

3) O enorme volume de vinhos simples no mercado contribuem para o consumo do vinho no Brasil?

Este é detalhe importantíssimo. No mundo todo, incluindo os países desenvolvidos, o grosso do consumo está na faixa de USD 10.00. Aqui não seria diferente. Obviamente que nossa impiedosa e absurda carga tributária, impede um avanço maior. Porém o vinho veio para ficar e não me admiraria de que podemos dobrar de tamanho e volume nos próximos 5 anos. A economia está de certa forma estável, com ligeiros crescimentos em alguns setores específicos. E observe o movimento de enriquecimento no interior do país, onde o Agronegócio é punjante e contínuo, é esta classe que irá ditar as regras de consumo nos próximos anos…

4) Como vê o modelo de negócio do vinho atualmente? Mudou? Qual a tendência?

O negócio de vinho com um negócio em si, tem suas características próprias, haja visto sua diversidade e não há nenhuma empresa que possui uma escala de grandeza, seja aqui ou no exterior. Este é um dos setores de negócios mais pulverizados, senão o mais. A mudança é bastante visível, dados as aquisições realizadas por grandes grupos internacionais e também investidores chineses na França. A tendência é de uma maior concentração e de pesados investimentos em marketing, modernização tecnológica e novas fronteiras agrícolas. Tudo isto é positivamente favorável para o crescimento e agrega condições de crescimento deste setor. Como nossa legislação não especifica e tão pouco proíbe a importação de vinhos, muitas enotecas, restaurantes, hotéis, catering, distribuidores e outros setores diversos, vem atuando diretamente na aquisição. Oferecendo a seus clientes uma vasta gama de produtos, com preços atrativos e diferenciados. O universo de empresa importadoras teve um crescimento célere e frenético nos últimos 2 anos, e é muito grande a procura de empresários que planejam embrenhar-se nesta categoria. Nossa consultoria hoje atende aproximadamente umas 132 empresas nesta atividade.

5) Os clubes de vinho trarão no futuro Clientes para as boas importadoras?

Lamentavelmente, com o advento dos Clubes de Vinho e das empresas eCommerce, a tendência é de que teremos e isto já é perceptível, uma diminuição expressiva da presença e participação dos grandes importadores, que até então dominavam este ramo. As importadoras buscarão segmentar-se em específicos nichos de negócios, regiões determinadas ou atuar com marcas reconhecidas, de maneira que tenham foco e direcionamento mercadológico mais intrínseco.

 

Adolar Hermann da Decanter

Adolar Hermann está em convenção da empresa mas fez a gentileza de me falar ao telefone. De modo geral ele pondera o seguinte:

Os números lhe parecem altos demais, uma vez que ele tem informação de 33% de crescimento o que também é bastante.

Entende que não há dúvidas de que a razão desse crescimento vem de web e supermercados.

Entende que nos dois casos a oferta está mais para preço do que para qualidade.

Percebeu que o mercado mudou de verdade. Hoje se vende basicamente os extremos, vinho barato e ícones caros, ele viu um crescimento de 25% em Barolos na sua importadora, o que surpreende. Em contra partida, o vinho de preço médio de R$ 100,00 a R$ 200,00 é que sofre demais.

Seu Clube cresce mas devagar, mas atua num espaço de maior qualidade e perfil do que os clubes que fazem a alegria do preço baixo na internet.

Adolar acredita sim que os vinhos baratos acabarão por incrementar clientes para vinhos de qualidade superior, embora isso demandará tempo.

Acredita que 2018 dependerá muito do caminho político, uma vez que sem segurança não acredita em investimentos. Mas está otimista.

 

Ciro Lilla da Mistral e Vinci

 

1) A que se deve esse crescimento forte da importação do vinho em 2017 ? Aos vinhos muito baratos trazidos por supermercados e sites de internet

2) Como vê o crescimento de Clubes de Vinho e de Supermercados na importação direta de vinhos? Tem o mérito de tornar o consumo de vinho viável para um novo consumidor de menor renda

3) O enorme volume de vinhos simples no mercado contribuem para o consumo do vinho no Brasil? Acho que sim, embora os vinhos, em grande parte, sejam muito fracos

4) Como vê o modelo de negócio do vinho atualmente? Mudou? Qual a tendência? A grande novidade foram os vinhos muito simples e baratos trazidos por supermercados e alguns sites, mas isso não afetou muitos os importadores tradicionais, que têm as melhores marcas, porque quem já provou e se acostumou com os bons vinhos não aceita mais esses vinhos simples/fracos

5) Os clubes de vinho trarão no futuro Clientes para as boas importadoras? Acho, e espero, que sim

 6) Qual sua expectativa com 2018? No geral positiva mas acho que a partir de maio tudo vai depender muito do rumo que tomar a eleição presidencial. E espero que os novos consumidores comecem a migrar para os bons vinhos.

 

Orlando Rodrigues da Prem1um Wines:

 

A que se deve esse crescimento forte da importação do vinho em 2017 ?

Creio que houve um efetivo crescimento no consumo, com uma atuação muito forte dos “e-commerce”(e seus clubes de vinho) e dos supermercados. Entre os dez maiores importadores (de out/2016 a set/2017), cinco são importadores tradicionais, dois são e-comerce, dois são supermercados e um é uma excrecência (VCT). Isso parece indicar um crescimento do consumo doméstico de vinho, talvez pelo alto custo dos restaurantes.

Como vê o crescimento de Clubes de Vinho e de Supermercados na importação direta de vinhos?

Esse tipo de empresa não poderia existir nos USA, onde um importador não pode vender direto ao consumidor. Mas no Brasil, com nosso sistema tributário maluco, e com a eliminação de uma etapa na cadeia, acaba sendo uma benção para o consumidor. Creio que isso só não acabará com os importadores tradicionais, porque a seleção de vinhos desses segmentos é muito ruim.

Os clubes de vinho particularmente devem ficar muito atentos, pois a falta de uma boa curadoria pode levar o negócio para o buraco. O consumidor pode aceitar um pacote de vinhos ruim, talvez dois, mas três nunca. E, na medida em que forem bebendo mais vinhos eles vão se tornar cada vez mais exigentes.

O enorme volume de vinhos simples no mercado contribuem para o consumo do vinho no Brasil?

Sem dúvida. Creio que existe mercado para todos, e no futuro, com a recuperação no nível da renda e maior conhecimento de vinho, várias dessas pessoas com certeza passarão a consumir vinhos melhores. Além disso, as pessoas estão descobrindo que podem tomar uma taça de um vinho mais simples com uma frequência maior. Afinal uma “Marguerita” com uma taça de vinho é muito melhor do que com um refrigerante ou uma cerveja. Várias importadoras tradicionais, com suas bem preparadas equipes, estão trazendo vinhos de bom preço com qualidade muito boa.

Como vê o modelo de negócio do vinho atualmente? Mudou? Qual a tendência?

O modelo mudou, e não voltará atrás. No mundo inteiro os supermercados têm uma importante fatia do mercado, e os e-commerce são uma novidade em todo o mundo, impulsionados pela falta de tempo das pessoas, trânsito difícil e por serem facilitadores para aqueles que “temem” entrar em uma loja de vinhos. Eles vieram para ficar e as importadoras tradicionais vão ter de achar seu nicho no mercado.

Os clubes de vinho trarão no futuro Clientes para as boas importadoras?

Sim, como respondido na pergunta dois.

Qual sua expectativa com 2018?

Creio que o mercado poderá continuar crescendo, mas com certeza em um ritmo menor.

 

Rodrigo Lanari da Winext

1) A que se deve esse crescimento forte da importação do vinho em 2017 ?

A.) Há uma quantidade maior de brasileiros consumindo vinho. Pesquisa da Wine Intelligence identificou que nos houve um aumento de cerca de 36% na base de consumidores desde 2011 (de 22 milhões para cerca de 30 milhões de pessoas)

B.) Oferta crescente de produtos, principalmente de preço baixo, nos supermercados e e-commerce. Nunca vi tanta oferta de vinho barato como em 2017.

C.) Bebidas alcoólicas são mais resilientes às crises econômicas. Bom exemplo é os EUA que se tornou o principal mercado de vinhos após a crise de 2008. Ou seja, apesar e por causa da crise, o vinho barato cresceu (esse aumento no vinho de baixo preço ja vinha acontecendo em 2016)

D.) outro fator importante, menos numérico mas de grande impacto, é a crescente exposição do vinho nas grande mídias (por ex. Globo Repórter, carnaval, telenovelas e etc.), aliado a gourmetização do publico brasileiro em geral (masterchef, programas de gastronomia e etc.). São fatores que certamente impactam no consumo do vinho.

Por fim, vale a ressalva de que importação não significa venda. Não conheço um player mais estabelecido no mercado que tenha crescido seu faturamento próximo a este número. Fatores como sobre-estoque e aumento do numero de novos importadores tendem a inflar as estatisticas de importação. É um indicador importante mas que temos que olhar com cautela.

 

2) Como vê o crescimento de Clubes de Vinho e de Supermercados na importação direta de vinhos?

Ambos canais têm exercido um papel fundamental na criação de novos consumidores. Além disso conseguem enorme vantagem competitiva em relação aos importadores tradicionais por aliarem escala (volume de compra) com preços competitivos na ponta.

 

3) O enorme volume de vinhos simples no mercado contribuem para o consumo do vinho no Brasil?

No curto-prazo podem atrapalhar, pois não há preocupação com qualidade e marca. Consumidor se vê ainda mais confuso no processo de escolha do vinho.

Mas no médio-longo prazo certamente estão ajudando a formar novos consumidores que no futuro migrarão para outras categorias.

 

4) Como vê o modelo de negócio do vinho atualmente? Mudou? Qual a tendência?

Mudou drasticamente nos ultimos 5 anos, vide a relevância do e-commerce e dos supermercados. No Brasil 1/4 dos consumidores de vinho já compram online (esse número só é maior na China) – fonte pesquisa Wine Intelligence, out 2017

O mercado de vinho como um todo ainda está em maturação. Poucas empresas são sustentáveis. Duas tendências importantes são a regionalização (empresas têm que se regionalizar para crescer, fortalecimento de players regionais) e a especialização (maior numero de especialistas nos seus respectivos canais, on e off trade).

 

5) Os clubes de vinho trarão no futuro Clientes para as boas importadoras?

Sem dúvida. O clube de vinho tem o papel de educar novos consumidores, e abrir o leque de opções para consumidores tradicionalistas que certamente buscarão outros canais de compra.

Além disso os clubes ajudam a criar o hábito de consumo, aumentando a recorrência de compra nos demais canais.

 

6) Qual sua expectativa com 2018?

É um ano de muita incerteza, mas que deve trazer boas oportunidades para o mercado do vinho. Os players mais focados devem prosperar.

 

 

Rogerio D’Avila da Ravin

1) A que se deve esse crescimento forte da importação do vinho em 2017 ? Importação trocando de mãos… Internet e supermercados….

2) Como vê o crescimento de Clubes de Vinho e de Supermercados na importação direta de vinhos? Vai continuar crescendo…Não dá pra ter atravessador com esta cadeia de impostos, repasses e cambio elevado…

3) O enorme volume de vinhos simples no mercado contribuem para o consumo do vinho no Brasil? Sim, mas esse vai ser o mercado para os próximos anos…Preços médios baixos…

4) Como vê o modelo de negócio do vinho atualmente? Mudou? Qual a tendência? Distribuidores(Importadores) perdendo mercado…Se não mudar o cenário de impostos (IPI, ICMS-ST) e cambio…

5) Os clubes de vinho trarão no futuro Clientes para as boas importadoras? Sim, com certeza… Mas sempre nos vinhos de entrada… apenas 1% da população tem dinheiro pra comprar vinhos caros… Mas, desse 1% nem todos são consumidores de vinhos…Portanto mercado de merda,,, (pequeno)

6) Qual sua expectativa com 2018? Ano complicado, com tendência de estabilidade para os Importadores… A questão é muita gente para pouca coisa… (pouco mercado para muitos importadores) tem que morrer alguns… kkkkk

Vender vinho barato é caro…Armazenagem e transportes os custos são os mesmos…

 

 

 

 

E termina 2017

E termina 2017, um ano desafiador onde mais uma vez o mercado do vinho mudou e cresceu.

A mim particularmente o ano de 2017 ficou marcado pela absurda postura do Setor do Vinho no Brasil em relação ao episódio Eduardo Zenker.

 

 

Uma mancha em nossa história vitivinícola que afeta o moral e a dignidade dos produtores e enólogos gaúchos. Eles ficaram marcados como invejosos Denunciantes de colegas, escondidos atrás do sigilo jurídico, embora todos saibam quem são essas pessoas. Pura inveja e despeito. Uma vergonha total. As entidades dos Setor então optaram por se calar a respeito e o Ibravin ainda me retaliou não renovando meu contrato de patrocínio do Aprendiz de Sommelier e nem  compartilha posts meus quando falo de vinho brasileiro. Vergonhoso e triste. Mas o tempo dirá, eu continuo dormindo tranqüilo com minha consciência e continuo escrevendo e falando o que acho em respeito a mim e a meus leitores.

 

Mas falando de coisas boas, temos o mercado de vinhos em pleno investimento.

2017 apresentou uma inacreditável alta de volume de importacão beirando os 54% em volume!!!! e 30% em valor!!!! É preciso muita conversa para entender o que está acontecendo. O vinho brasileiro não cresceu nada. Há muita movimentação no mercado, novos investidores, muito consumidor novo desinformado, muito clube de vinho com ofertas de vinhos inacreditáveis, novos modelos de comercio, em fim, o ano de 2018 promete.

Desejo a todos um ano de muita Saúde, Alegrias e Grana !

Um Caviste na Granja Viana

 

A Vino & Sapore (Rua José Felix de Oliveira, 875 na Granja Viana), do João Clemente (blog Falando de Vinhos), é um presente para os moradores da Granja Viana e região. Ele é um perfeito “Caviste “, termo que em francês define aquele vendedor de vinhos que visita as regiões e busca produtos selecionados para sua freguesia. O João, guardada as devidas proporções faz exatamente isso, pois imagine que sua loja conta com cerca de 400 rótulos, todos selecionados um a um por ele.

Não está entre seus objetivos e valores pessoais sobre o estilo, qualidade, preço, o vinho não entra. e você quando vai lá, tem toda a atenção dele para explicar cada um, como é, onde ele conheceu, por que gosta, qual o estilo, etc. Isso é um achado, afinal, hoje você entra em um supermercado e fica perdido, sem saber da qualidade, do estilo, etc., que dirá então do bombardeamento que temos diariamente pela web com ofertas e mais ofertas de rótulos lindos, mas que não trazem a informação que você quer.

Hoje visitei o João tara uma taça e um papo e aproveitei para gravar com ele. Veja que legal. Alguém que tem paixão por vinho, coisa cada vez mais rara nesse mercado que não para de crescer com vinhos que não sei como podem custar tão pouco e ainda entregue na sua casa…

O Aprendiz de Sommelier Fase II Terroir – Os Naturebas

 

Os vinhos Orgânicos, Biodinâmicos e Naturais, que são coisas diferentes, mas que estão em oposição à maioria dos vinhos Convencionais, é um fenômeno crescente na preferência dos consumidores de vinho, principalmente entre os jovens.

Antes dos produtos químicos na agricultura, todo vinho era Natureba e foi assim por 9 mil anos!! Se quiser mais informação sobre o assunto sugiro que leia isto AQUI.

Para o Aprendiz de Sommelier se informar a respeito, fui ouvir o Ramatis Russo, meu filho e marido da Lis Cereja da Enoteca Saint Vin Saint, que hoje é a referência sobre esse tema que anda tanto em moda. Eles são os únicos na América do Sul a ter uma carta exclusiva de vinhos Naturebas. Veja o que ele diz, reflita, experimente, reveja e teste novamente. Faça isso com os outros vídeos também. Você será uma pessoa melhor, acredite. Não custa nada e o saber não ocupa lugar. Saúde!!

 

Vinho Cresce. E cresce bastante!

Falei hoje com meu Amigo Adão Morelatto da International Consulting.e fiquei alegremente surpreso com a informação dele de que de Janeiro a Novembro de 2017, o Vinho importado havia crescido em volume 29,73% ! E em valor 53,98% !!!!  Comparados a igual período do ano passado. Eu já havia me surpreendido com os números do primeiro semestre, mas este dado foi impressionante.

 

 

Vale lembrar que em 2016 em plena crise onde setores caíram 30%, o Vinho importado cresceu enormes 11,5 % !!! Em volume embora tivesse caído 3,4% em valor.

O Adão comentou ainda que muita gente nova entrou nesse mercado e forte, o vinho está sendo procurado como aplicação, rendendo 5% ao mês. Informação do Adão. Isso atraiu investidores fortes.

Importante saber que esses números não mostram venda de vinho, mas importação de vinho. Mas mostra o otimismo do mercado que todos os anos tem mostrado crescimento.

Vai ser importante observar a movimentação do vinho em 2018. Se você tem interesse e quiser falar com o Adão, aqui vai seu contato:

ADAO AUGUSTO A. MORELLATTO
R. Laura B. Nascimento, 245 Mairipora – SP – 07600-000  Tel. 11 4419.2286 – Email: adao.morellatto@gmail.com Email: adao.morellatto@terra.com.br SKIPE: ADAOMORELLATTO