Acontece

Casa da Passarella

Paulo Nunes, enólogo da Quinta da Passarela no Dão em Portugal, tem posição privilegiada, é além de enólogo também o gestor do negócio. Ele tem talento e produz vinhos ótimos, além de gostar de falar e contar suas surpresas e descobertas.

Ele esteve em São Paulo semana passada a convite da Premium Wines de Rodrigo Fonseca e Orlando Rodrigues que hoje importam toda a linha da Passarela.

São três linhas a saber: Somontes, de vinhos do dia-a-dia; Casa da Passarella, brancos e tintos de maior complexidade; e o Villa Oliveira, de elaborações especiais.

Os vinhos não são baratos, mesmo em importadora como a Premium que não tem o costume de salgar nas margens. Linha Somontes vai de R$ 89,00 até R$ 146,00, depois a linha Casa da Passarela que vai de R$ 105,00 a R$ 443,00 e a linha Villa Oliveira que fica em torno dos R$ 600,00

A Quinta da Passarela é daqueles casos onde todos os vinhos são muito bons. O Paulo teve a gentileza de me acompanhar vinho por vinho falando de cada um deles e conversamos bastante. Meus destaques foram três brancos e um tinto, não desfazendo de nenhum dos outros, claro.

O Casa da Passarela OEnologo Curtimenta (R$ 216,00), com um pequeno período de fermentação das cascas no mosto, o Casa da Passarella Fugitivo Branco em Curtimenta 2015 *R$ 443,00) de vinhas velhas com 1 mês de maceracnao com as cascas, de beber ajoelhado e o 1a Edição da linha Villa Oliveira, que mistura 5 safras de encruzado que o Paulo vai separando a cada ano uma barrica e no quinto ano mistura todas elas. Um espetáculo de vinho.

O tinto em destaque foi também da linha Villa Oliveira (sempre os mais caros…), o Vinha das Pedras Altas que tem uma curiosidade, são uvas provenientes de quatro diferentes parcelas de vinhas velhas (várias castas mescladas, inclusive brancas) , cultivadas por senhores que beiram os 80 anos. O Paulo arrendou mas não interferiu no trabalho de viticultura deles e inclusive aprendeu muito com eles, como o caso de podas de folhas que eles não fazem… daí colheu, fermentou e mesclou. Um espetáculo!!! São os vinhos da faixa dos R$ 600,00.

Eu gravei um vídeo com o Paulo, um dele explicando o Fugitivo, onde ele conta uma curiosidade sobre as uvas com os nomes “cão”ao final, como tinto cão, uva cão, etc., interessante história.

 

Outra coisa que ele ressaltou foi a diferença entre Reserva e Garrafeira. Os Reserva são vinhos com estrutura para guarda. Os Garrafeira, além de também terem estrutura para guarda, têm que ter ao menos dois anos de garrafa antes de ir ao mercado. Porém, ambos têm que ter pontuação destacada, ao menos 72 pontos na Camara de Provas. Saúde!!

Comments

comments